Produção da CoronaVac, aniversário de 120 anos e produção recorde de vacina da influenza: relembre os principais marcos do Butantan em 2021


Publicado em: 28/12/2021

Desde 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a Covid-19 como pandemia, ficou provado que, para superarmos essa doença, só existe um caminho: a ciência. O Butantan, maior produtor de vacinas da América Latina, se debruçou sobre o desafio de lutar contra o vírus SARS-CoV-2 e, em janeiro deste ano, estava preparado para fornecer ao Brasil uma vacina segura e eficaz, a CoronaVac – atualmente, a mais usada no mundo contra a Covid-19. 

De lá para cá, foram 100 milhões de doses de CoronaVac aplicadas nos braços dos brasileiros, especialmente nas populações mais vulneráveis à doença (como idosos e profissionais da saúde), desenvolvimento e pesquisa de outras vacinas e tratamentos (soro anti-Covid e rede de plasma convalescente) e ações de diagnóstico e sequenciamento de variantes, entre outras ações. E isso tudo no ano em que o Butantan comemorou 120 anos de atuação na saúde pública a serviço da vida de todos os brasileiros, e entregou uma produção recorde de 80 milhões de doses de vacinas contra a influenza ao Programa Nacional de Imunizações (PNI).

Relembre a seguir as atividades mais importantes do instituto em 2021, um ano de desafios, dor e tristeza, mas também de conquistas.

 

Janeiro

12 – Em coletiva de imprensa na sede do Butantan, o presidente do instituto, Dimas Covas, apresenta os resultados preliminares do estudo clínico de fase 3 da CoronaVac, realizado com profissionais de saúde, público altamente exposto à Covid-19. A eficácia global da CoronaVac, anunciada na ocasião, foi de 50,3%, superior ao recomendado pelas agências regulatórias.

17 A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) concede autorização de uso emergencial à CoronaVac, possibilitando o início da vacinação contra a Covid-19 no Brasil. A primeira pessoa a ser imunizada foi a enfermeira do Instituto de Infectologia Emílio Ribas Mônica Calazans. 

 

Fevereiro

17 Início da vacinação dos voluntários do Projeto S, estudo de efetividade da CoronaVac realizado pelo Butantan no município paulista de Serrana. A pesquisa pioneira teve como objetivo vacinar a população adulta completa da cidade para entender o impacto da vacina no controle da pandemia de Covid-19 e na transmissão do SARS-CoV-2.

23 Butantan completa 120 anos de existência. O instituto iniciou suas atividades em 1901 desenvolvendo soro antipestoso para ajudar a combater o surto de peste bubônica que se abatia sobre o estado de São Paulo no início do século 20. O dia de comemorações envolveu entrega de vacinas ao PNI, lançamento de selo e carimbo comemorativo dos Correios e instalação de obras de artes no parque de ciências, além de bolo e concerto.

 

Março

26 Butantan anuncia o desenvolvimento de uma nova vacina contra a Covid-19, a ButanVac. O imunizante está sendo feito com insumos totalmente nacionais, a partir da inoculação de ovos embrionados de galinha (mesma tecnologia da vacina da gripe), tornando o imunizante muito seguro e barato de se produzir. 

 

Abril

7 Butantan dá início à rede de plasma convalescente, iniciativa que tem como objetivo estabelecer uma estrutura de coleta e distribuição de plasma de pessoas curadas de Covid-19, que pode ser utilizado no tratamento de pacientes que estão com a infecção. As primeiras cidades a integrar a rede foram Araraquara e Santos. 

12 Início da campanha nacional de imunização contra a influenza, realizada pelo Ministério da Saúde em sua totalidade com vacinas fornecidas pelo Butantan. Em 2021, o instituto forneceu ao PNI 80 milhões de doses, que foram distribuídas gratuitamente às populações mais vulneráveis à doença. 

14 Publicação em formato preprint dos dados finais do estudo de fase 3 da CoronaVac no Brasil. Os resultados definitivos trouxeram uma eficácia geral de 50,8%, maior do que a apontada nos dados preliminares, e mostraram que o indicador pode chegar a 62,3% com o intervalo de doses entre 21 e 28 dias, exatamente o praticado no Brasil. 

26 Vacina da influenza do Butantan entra para a lista de imunizantes pré-qualificados da Organização Mundial da Saúde (OMS). Com isso, o instituto recebe um aval importantíssimo sobre a qualidade, segurança e eficácia da vacina, além de poder fornecê-la para agências da Organização das Nações Unidas e para outros países por meio da OMS e a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS).

 

Maio

10 Início dos ensaios clínicos de fase 3 da vacina tetravalente do Butantan contra a influenza. Participam do estudo 6.500 crianças e adolescentes de três a 17 anos, adultos de 18 a 59 anos e idosos de 60 anos ou mais em 11 centros de pesquisa nas cidades de Ribeirão Preto, São Paulo, Serrana, São José do Rio Preto, São Caetano do Sul (estado de São Paulo), Belo Horizonte (Minas Gerais), Porto Alegre, Pelotas (Rio Grande do Sul), Fortaleza (Ceará), Recife (Pernambuco) e Laranjeiras (Sergipe).  

18 Pesquisadores do Butantan publicam estudo inédito sobre sequenciamento genômico da jararaca mostrando que nove genes responsáveis pela produção das toxinas do veneno evoluíram, provavelmente, de genes que tinham outras funções no ancestral do animal. 

21 Início no Butantan das obras para a construção de uma nova fábrica de soros com linha de produção completa, na qual será possível elaborar inclusive soros em pó, e para a edificação do Museu da Vacina, novo espaço voltado à divulgação científica. 

29 Butantan inicia nos municípios paulistas de Batatais e Taquaritinga, o projeto Isolamento Inteligente, que tem como objetivo mapear a transmissão local da Covid-19 por meio da testagem para detecção do novo coronavírus, estabelecimento de contact tracing (rastreamento de casos positivos) e aplicação de uma estratégia de combate à pandemia a partir do isolamento de quem estiver com diagnóstico confirmado de Covid-19. 

31 Resultados preliminares do Projeto S mostram que vacinação da população de Serrana com CoronaVac fez os casos sintomáticos de Covid-19 despencarem 80%, as internações, 86%, e as mortes, 95%. Além disso, o estudo demonstrou que o imunizante é efetivo em idosos e eficaz contra variante gama do vírus SARS-CoV-2.

 

Junho

1 OMS aprova uso emergencial da CoronaVac. A vacina foi o sexto imunizante contra Covid-19 a ser aprovado pela entidade. Na ocasião, o diretor da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus afirmou que a vacina se mostrou segura e eficaz após as duas doses. 

7 Rede de Laboratórios para Diagnóstico do Coronavírus SARS-CoV-2, coordenada pelo Butantan, chega à marca de 3,4 milhões de testes para detecção de Covid-19 realizados. A iniciativa visa levar à população o resultado dos exames para a doença em até 72h. Participam da rede mais de 29 laboratórios em todo o estado de São Paulo. 

16 Butantan alcança a marca de 50 milhões de doses de CoronaVac fornecidas ao Ministério da Saúde para a imunização dos brasileiros contra a Covid-19. 

17 Primeira edição do Boletim Epidemiológico da Rede de Alerta das Variantes do SARS-CoV-2, uma publicação semanal que traz os resultados do sequenciamento genômico das amostras positivas de exames para detecção de Covid-19 que passam pela Rede de Laboratórios para o Diagnóstico do SARS-CoV-2, coordenada pelo instituto, a fim de realizar a identificação e acompanhamento das variantes do SARS-CoV-2 no estado de São Paulo. 

 

Julho

9 Com a aprovação da Anvisa, começam os ensaios clínicos da ButanVac em Ribeirão Preto, interior de São Paulo. Na etapa A da pesquisa, são avaliadas a segurança do imunizante e a seleção de doses. 

24 Começa em Serrana uma nova etapa do Projeto S, com a avaliação da imunidade de longo prazo gerada pela CoronaVac nos voluntários vacinados.

 

Agosto

9 Começam as atividades do Lab Móvel, laboratório itinerante para a realização de exames diagnósticos de Covid-19 e sequenciamento genômico das amostras positivas a fim de entender quais variantes do SARS-CoV-2 circulam pelo interior do estado de São Paulo. 

30 Butantan recebe o título de Patrimônio Nacional da Saúde Pública, concedido pelo Congresso Nacional de acordo com a Lei nº 14.196, publicada no Diário Oficial da União. A homenagem é dada para instituições públicas e privadas sem fins lucrativos, de reconhecimento público e social que atuem há, no mínimo, 70 anos no desenvolvimento e atividades científicas, educacionais, técnico, assistencial e de proteção e recuperação da saúde. 

 

Setembro 

15 Com a entrega das últimas unidades de CoronaVac ao Ministério da Saúde, Butantan encerra o contrato para o fornecimento de 100 milhões de doses da CoronaVac. 

 

Outubro

8 Apoio da GSK e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) ao Centre of Excellence in New Target Discovery (CENTED) do Butantan é renovado por mais cinco anos. O objetivo do CENTD é encontrar novos alvos moleculares para o tratamento de doenças imunoinflamatórias. 

15 Começam os ensaios clínicos do soro anti-Covid com pacientes imunossuprimidos do Hospital do Rim e do Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, ambos em São Paulo. O objetivo do soro é ajudar no tratamento de pessoas infectadas pelo vírus SARS-CoV-2. 

 

Novembro

29 Artigo científico com os resultados finais do Projeto S é submetido à revista The Lancet e publicado em formato de preprint. As conclusões do estudo mostram que a imunização de toda população adulta provocou proteção até na população não vacinada, reduzindo em 80,5% o número de casos de Covid-19 e em 94,9% as mortes causadas pela doença. 

30 – Em parceria com a Secretaria Municipal de São Paulo, Butantan inicia ação para fazer a testagem do vírus SARS-CoV-2 em pessoas assintomáticas. O objetivo é identificar aqueles que estão contaminados e não sabem para isolá-los e impedir uma maior replicação do vírus. 

 

Dezembro

7, 8, 9Realização do CoronaVac Symposium, evento do Butantan e da farmacêutica chinesa Sinovac que reuniu pesquisadores do Brasil e de países como Chile, China, Espanha e Turquia para debater, com base em estudos e pesquisas, a eficácia, efetividade e segurança da CoronaVac no público geral e em recortes específicos.