CoronaVac é a vacina que mais previne mortes no Brasil, afirma estudo
Publicado em: 23/06/2021

A CoronaVac, vacina do Butantan em parceria com a biofarmacêutica chinesa Sinovac, é o imunizante mais eficiente na proteção contra casos graves da doença, prevenindo até 97% das mortes de pessoas contaminadas no Brasil. A conclusão é de um levantamento feito pelo epidemiologista Wanderson de Oliveira, ex-secretário Nacional de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde. 

Os dados do estudo foram obtidos por meio do OpenDataSus, sistema oficial do Ministério da Saúde. A pesquisa analisou o período de duas semanas após a aplicação da segunda dose da vacina. Ou seja, pessoas que completaram o esquema vacinal e aguardaram o tempo de resposta do sistema imunológico.

Também foi possível concluir que a CoronaVac teve 50,4% de eficácia para casos muito leves, que não requerem nenhum atendimento médico, e 77,96% de eficácia para casos leves que necessitam de atendimento médico.

Foram analisadas, ainda, as taxas de eficácia contra casos graves de outras vacinas: Astrazeneca (90%), Janssen (85%), Sputnik V (85%) e Pfizer (80%).

A vacina do Butantan também já demonstrou sua excelência em outros estudos, tanto nacionais quanto internacionais. No Brasil, os resultados finais do estudo clínico de fase 3 da CoronaVac demonstraram que a eficácia geral do imunizante pode chegar a 62,3% quando o intervalo entre a primeira e a segunda dose da vacina for de 21 a 28 dias. 

O imunizante também foi estudado no Projeto S, estudo clínico realizado pelo Butantan na cidade de Serrana, onde a vacinação fez os casos sintomáticos de Covid-19 despencaram 80%, as internações, 86%, e as mortes, 95%. 

Já na Turquia, por exemplo, a CoronaVac apresentou eficácia geral de 83,5%, segundo estudo da Universidade Hacettepe. Na Indonésia, uma análise de profissionais de saúde vacinados mostrou uma redução de 94% do número de casos sintomáticos.