Covid-19 longa acomete mais de 25% das crianças e adolescentes infectados pelo coronavírus, mostra estudo

Os sintomas podem incluir ansiedade, depressão, fadiga, distúrbios do sono, dor de cabeça e problemas respiratórios


Publicado em: 17/03/2022

Uma revisão sistemática publicada na plataforma MedRxiv mostrou que mais de 25% das crianças e adolescentes infectados pelo SARS-CoV-2 desenvolvem a Covid-19 longa, ou seja, continuam apresentando um ou mais sintomas mesmo após mais de um mês da infecção. O estudo foi conduzido por universidades dos Estados Unidos, México e Suécia.

Os pesquisadores revisaram 68 artigos sobre Covid-19 longa em crianças e adolescentes, e incluíram na análise 21 trabalhos com dados de 80.071 indivíduos acometidos pela doença. Foram identificados mais de 40 efeitos de longo prazo associados à Covid-19 na população pediátrica.

A prevalência da Covid-19 longa foi de 25,2% – entre as crianças hospitalizadas, a porcentagem chegou a 29,2%. As manifestações mais comuns foram sintomas de humor, como tensão, ansiedade e depressão (16,5%), fadiga (9,6%), distúrbios do sono (8,4%), dor de cabeça (7,8%), problemas respiratórios (7,6%) e sintomas cognitivos, como falta de concentração, confusão e perda de memória (6,2%).

Em comparação aos controles, as crianças infectadas pelo SARS-CoV-2 tinham um risco mais alto de desenvolver falta de ar, perda de paladar, perda de olfato e febre. O grupo controle incluiu dados de crianças com outras infecções, como resfriado e gastroenterite, crianças com testes de anticorpos negativos contra a Covid-19 e crianças sintomáticas que testaram negativo.

“Essas meta-análises fornecem uma visão geral da ampla sintomatologia da Covid-19 longa no público infantil, o que pode ajudar a melhorar o gerenciamento de programas de reabilitação e o desenvolvimento de diretrizes e terapias para a condição”, dizem os autores no artigo.

Semelhante aos adultos, algumas características na população pediátrica foram consideradas fatores de risco para o desenvolvimento de Covid-19 longa: idade mais avançada, ser do sexo feminino, ter tido a forma grave da doença, obesidade, alergias e outras comorbidades.

 

Vacinação é a única forma de prevenir a Covid-19

A imunização da população, especialmente a pediátrica, é de extrema importância para evitar casos de Covid-19 e de Covid-19 longa. A CoronaVac, vacina do Butantan e da Sinovac, é aprovada no Brasil para crianças dos seis anos aos 17 anos. Na última semana, o Butantan enviou um pedido à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para autorizar a aplicação do imunizante na faixa etária a partir dos três anos.

No Dossiê CoronaVac: Crianças e Adolescentes, o Butantan reuniu diversos estudos científicos que comprovam a segurança e eficácia da CoronaVac nesse público.