Crianças estão sendo mais afetadas pela Covid-19 e precisam de vacina, diz infectologista pediátrico


Publicado em: 22/12/2021

Em setembro, com a maioria dos adultos imunizados, a Turquia decidiu voltar a abrir escolas, shopping centers, restaurantes e serviços em geral. Desde então, o número de casos de Covid-19 tem crescido entre as crianças. Segundo o especialista em doenças infecciosas pediátricas do Grupo de Hospitais Istanbul Memorial, Ahmet Soysal, a equipe médica tem recebido diariamente crianças contaminadas, o que prova a necessidade de estender a imunização a essa faixa etária.

“A infância deve também ser vacinada, porque depois do início do ‘novo normal’, temos visto aumentar os números de Covid-19 e também de síndrome inflamatória multissistêmica pediátrica (MIS-C) nessa faixa etária”, afirma. “É difícil acabar com a pandemia quando muitas pessoas agem como se não estivesse acontecendo nada, não acreditam no risco de mortes. Mas a cada dia chegam diferentes casos de contaminação nos hospitais.”  

A Turquia foi um dos primeiros países a vacinar sua população, começando em janeiro de 2021 por profissionais de saúde e idosos. A aplicação de 50 milhões de doses de CoranaVac na maioria da população (com o esquema completo de duas doses e reforço depois de seis meses) preveniu 83,5% dos casos sintomáticos. “Estamos felizes de usar uma vacina bastante segura, sem efeitos adversos, inclusive entre grávidas”, afirma Ahmet Soysal.

O pesquisador contou que o primeiro bebê “vacinado” contra a Covid-19 no país foi o filho de uma profissional de saúde imunizada com a vacina e que passou os anticorpos para a criança. “Ela estava com 27 semanas de gravidez, tomou duas doses da vacina e deu à luz a uma menina saudável. Durante o parto, nós tiramos amostras de sangue da mãe e do bebê e o resultado foi que 100% dos anticorpos dela passaram para a filha.”

Na avaliação do pediatra, os bons resultados da campanha de vacinação adulta na Turquia se devem à grande adesão da população e ao exemplo do presidente Recep Erdoğan, e sua equipe, imunizados com Coronavac. Ahmet Soysal frisa que mesmo sendo um pesquisador de doenças infecciosas nunca imaginou passar por um surto dessas dimensões. “O maior desafio de ser um cientista na pandemia é que estamos em uma corrida de rally contra o vírus”, diz. “Precisamos encontrar um caminho para salvar vidas e também descobrir vacinas e medicamentos eficazes em curto período.”

Na Turquia, a população tem à disposição vacinas de vírus inativado ou produzidas com a tecnologia de RNA mensageiro, que chegaram ao país três meses após o início da imunização com CoronaVac. Atualmente, a vacinação pediátrica contra Covid-19 é realizada a partir dos 12 anos usando ambos imunizantes.

Ahmet Soysal participou do CoronaVac Symposium, organizado pelo Instituto Butantan e pela Sinovac e realizado entre 7 e 9/12. Para saber mais sobre a vacinação de crianças e adolescentes e os últimos estudos sobre a vacina de vírus inativado, é possível assistir às palestras do evento internacional na íntegra, disponíveis no site.