#FAKE Tomar duas doses da CoronaVac faz com que a eficácia da vacina dobre. Comentários nas redes sociais especulam que ao se tomar as duas doses da CoronaVac sua eficácia dobra. Ao contrário desse raciocínio, a eficácia global da vacina, que é de 501,7% de acordo com os ensaios clínicos, é alcançada com a soma das duas doses. Quem toma a primeira e a segunda dose da vacina fica imunizado, enquanto quem toma só uma dose não fica protegido.


#FATO Ainda não estão sendo recrutados voluntários para o estudo clínico da ButanVac. A pesquisa clínica em humanos sobre a nova vacina do Butantan contra a Covid-19 ainda não começou. Neste momento, não há qualquer processo de inscrição aberto para participar do estudo. Além disso, esse recrutamento, quando for iniciado, será feito pelos centros de pesquisa onde o estudo vai ser realizado, e não pelo Butantan.


#FAKE Vacinação em larga escala cria variantes do novo coronavírus e agrava a pandemia. O ganhador do prêmio Nobel de medicina em 2008, Luc Montagnier, afirmou que a imunização em massa criará novas variantes e ocasionará mais mortes. Esta afirmação é falsa. Especialistas em todo o mundo explicam que, quanto mais o vírus se multiplica, maior a chance do surgimento de novas variantes. Ou seja, a única forma de evitar o aparecimento de novas cepas é controlando a pandemia com a vacinação do maior número de pessoas.


#FAKE Médico virologista do Albert Einstein questiona CoronaVac em áudio. Em um conteúdo que circula nas redes sociais, um homem supostamente chamado Roberto Klaus faz alegações negativas a respeito da CoronaVac. Contudo, não há registros de médicos com esse nome, tanto no Conselho Federal de Medicina (CFM) quanto no quadro de funcionários do Hospital Albert Einstein. O autor do áudio recomenda o uso de ivermectina - medicação sem comprovação de eficácia - e desencoraja a tomar a vacina. Vale lembrar que a vacina do Butantan se mostrou segura e eficaz nos testes clínicos, com indicação de uso em toda a população adulta, incluindo idosos.


#FAKE Vacina contra o novo coronavírus causa câncer de mama. As informações repassadas em grupos antivacina, de que o imunizante contra a Covid-19 pode causar tumores de mama, são falsas. O que acontece, de acordo com estudos realizados, é que após tomar uma vacina pode haver um inchaço temporário dos linfonodos. Se precisar fazer uma mamografia, é recomendado que se agende antes de receber o imunizante ou após quatro semanas - período que demora para os linfonodos voltarem ao normal.


#FATO Não é necessário receber terceira dose da CoronaVac. Estudos do Projeto S, realizado pelo Butantan em Serrana, no Ceará e no Chile indicam que apenas duas doses são necessárias para imunizar a população e proteger contra o vírus Sars-CoV-2. O presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, esclareceu essa dúvida em vídeo e reforçou que a vacina do Butantan é eficiente e segura para pessoas acima de 18 anos, inclusive idosos.


#FAKE Temperaturas acima de 26ºC matam o novo coronavírus. A temperatura corporal média de um humano é de 36ºC, o que já mostra que o dado é falso. Segundo especialistas, o coronavírus sofre com temperaturas elevadas, porém apenas acima dos 45ºC. O vírus pode resistir por dias em temperaturas de 30ºC a 40ºC.


#FATO Nova vacina do Butantan, a ButanVac, será produzida em território nacional. A ButanVac será o primeiro imunizante fabricado integralmente no Brasil, sem a necessidade de importação da matéria-prima, e usará ovos de galinha para produzir doses com vírus inativados (mortos). Os processos incluem controle de qualidade dos ovos, inoculação, acondicionamento em incubadoras e envio para o envase. A ButanVac tem a mesma plataforma de produção e tecnologia da vacina da Influenza (gripe).


#FAKE OMS recomenda o uso de ivermectina para o tratamento da Covid-19. A medicação é um antiparasitário capaz de eliminar diversos tipos de parasitas, porém não há qualquer estudo que tenha comprovado a eficácia contra o novo coronavírus. A Organização Mundial da Saúde, inclusive, recomenda que o remédio não seja usado para tratar pacientes com Covid-19.


#FAKE Pessoas ficam com a imunidade mais baixa ao tomar vacina contra o novo coronavírus. Uma fake news que circula na internet diz que o imunizante contra a Covid-19 afeta o sistema imunológico e deixa o indivíduo propenso a contrair a doença. As vacinas têm taxas de eficácia diferentes, mas todas protegem contra a Covid-19, criando anticorpos contra o novo coronavírus. Além disso, não prejudicam o sistema imunológico no combate a essa e outras doenças. 


#FAKE Cebola e alho batidos com água são eficazes para cura da fibrose pulmonar causada pelo coronavírus. O vídeo que está circulando é falso. Além de não haver nenhuma comprovação da eficácia dessa receita caseira, quando os primeiros sintomas da Covid-19 são notados, é necessário procurar atendimento médico imediatamente para que o quadro do paciente não se agrave. 


#FAKE Vídeo mostra teste rápido do coronavírus dando positivo para água da torneira. O vídeo que está sendo repassado em aplicativos de mensagens contém informações falsas. Deve-se fazer o teste com sangue ou amostras coletadas por um swab nasal ou nasofaríngeo para detecção de anticorpos, e não com água. Dependendo das substâncias contidas na água, o teste pode mostrar um falso positivo, mas o resultado não é válido. A testagem não foi projetada para ser feita como demonstrada nas imagens. O uso da água pode, inclusive, fazer com que o aparelho seja danificado. 


#FAKE A aplicação de duas doses de vacinas de fabricantes diferentes contra a Covid-19 proporciona maior imunidade. Essa informação é falsa. As farmacêuticas usam tecnologias diferentes para desenvolver suas vacinas, e não há estudos sobre as consequências de se tomar a primeira dose da Coronavac e a segunda de outro fabricante. Lembrando que, em relação à CoronaVac, para que a imunização esteja completa, é recomendável que cada dose seja tomada com um intervalo de 14 a 28 dias. Outras vacinas, como a Oxford/AstraZeneca, produzida pela Fundação Oswaldo Cruz, necessitam de um intervalo diferente (neste caso, de três meses).


#FAKE Redes de farmácias estão comercializando CoronaVac e outras vacinas. Essa informação é falsa e está sendo repassada em aplicativos de mensagens. A publicação afirma que o preço dos imunizantes varia de R$ 225 a R$ 379,50, e que é preciso fazer um agendamento para tomar a vacina. A vacinação com a CoronaVac é gratuita e feita exclusivamente pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI).


#FATO CoronaVac é eficaz após a aplicação da segunda dose. Ao contrário do boato que surgiu nas redes sociais, não é necessária a aplicação de uma terceira dose da vacina do Butantan contra a Covid-19. Conforme os estudos finais, divulgados recentemente, a eficácia e a segurança da CoronaVac são ainda maiores do que as verificadas nos estudos iniciais, podendo chegar a 62% de eficácia geral e 83% para casos moderados.


#FAKE Cientistas divulgam relatório sobre a CoronaVac e alertam que a vacina não protege contra a Covid-19. Essa informação, postada em alguns sites, é mentira. Muito pelo contrário: diversos estudos recentes destacam a eficácia e segurança da vacina do Butantan contra o novo coronavírus.


#FAKE Cidades não registram mortes nem internações por Covid-19 após adoção de tratamento precoce. Uma lista com 16 cidades brasileiras circula nas redes sociais afirmando que os municípios zeraram óbitos e internações causadas pelo novo coronavírus após adoção do "tratamento precoce" (coquetel de alguns remédios sem eficácia comprovada para combater a infecção pelo vírus). A mensagem é falsa. Há tanto pessoas internadas quanto óbitos registrados em quase todas as cidades do Brasil. Além disso, algumas prefeituras já negaram ter o chamado "kit Covid" para combater a doença. As medidas de proteção contra a Covid-19 são o uso de máscaras e álcool em gel, o distanciamento social e a vacinação. 


#FAKE Máscaras causam danos neurológicos. Uma mensagem falsa que circula pela internet afirma que usar máscaras respiratórias compromete a oxigenação do cérebro e, consequentemente, causa danos neurológicos irreversíveis. Além disso, a postagem diz que a respiração do ar exalado na máscara ocasionaria uma inundação de dióxido de carbono. O uso da proteção não compromete a troca de gases, pois as máscaras são feitas de tecidos respiráveis. As moléculas de dióxido de carbono e de oxigênio são minúsculas, muito menores do que uma partícula viral. 


#FATO Após tomar a CoronaVac, é preciso esperar duas semanas para tomar a vacina contra a gripe. E vice-versa: após tomar a vacina da gripe (ou qualquer outra vacina), é preciso esperar pelo menos duas semanas para tomar a vacina contra a Covid-19. Esse cuidado é necessário porque ainda não foram estudados os possíveis efeitos de tomar a vacina contra a Covid-19 junto a outras vacinas. 


#FAKE Quem toma CoronaVac não pode entrar em outros países. Não é verdade que pessoas imunizadas com a vacina do Butantan estão sendo impedidas de viajar para outros países. Na verdade, diversos países estão com fronteiras fechadas para brasileiros devido ao cenário da pandemia no Brasil. Não há qualquer relação com o imunizante.


#FAKE Brasil registrou 26 óbitos por reações à vacina. Essa informação não é verdadeira. Até o momento, não há qualquer relato de eventos adversos graves ou óbitos causados por qualquer uma das vacinas contra a Covid-19 aprovadas pela Anvisa, como é o caso da vacina do Butantan.


#FATO Máscara facial não facilita a transmissão do novo coronavírus. A máscara protege e seu uso é obrigatório em todo o território nacional. Ao contrário do que as correntes nas redes sociais têm divulgado, não é verdade que usar máscara favorece a infecção pelo vírus. Também é falso o suposto estudo que diz que máscaras acumulam micróbios capazes de causar câncer.


#FAKE Morte de idoso que se vacinou em Jundiaí teve a ver com a vacina. Um senhor de 94 anos recebeu a primeira dose do imunizante contra a Covid-19, passou mal, foi socorrido e levado a um hospital da região. Contudo, a vacina não teve relação com o óbito, que aconteceu devido a um aneurisma. 


#FAKE A vacina do Butantan contra a Covid-19 imuniza também contra a gripe H1N1. Isso não é verdade. Quem recebe a CoronaVac fica imunizado somente contra a Covid-19. Para se imunizar contra o vírus causador da H1N1 é preciso tomar a Vacina Influenza Trivalente (Fragmentada e Inativada), também fabricada pelo Butantan. Essa vacina é bem conhecida dos brasileiros: é a vacina da gripe distribuída pelo Programa Nacional de Imunizações gratuitamente a maiores de 60 anos e menores de seis anos, e que protege contra três tipos de gripe, inclusive a H1N1.


#FAKE A vacina facilita o aparecimento de novas variantes do coronavírus. Essa insinuação foi feita publicamente por um mandatário, mas não corresponde à verdade. A CoronaVac foi aprovada pela Anvisa, é segura e eficaz, inclusive contra novas cepas do coronavírus causador da Covid-19. Ela é feita a partir de vírus inativados, ou seja, mortos, e que são incapazes de fazer mal ao organismo humano.


#FAKE Vacina não foi aprovada na fase 3 na China e, por isso, brasileiros se tornaram cobaias. Tanto é mentira que a vacina não foi aprovada na China, quanto que brasileiros são cobaias. Em fevereiro de 2021 o governo chinês deu sua aprovação à CoronaVac (uma autorização especial havia sido concedida em novembro de 2020). Quanto aos brasileiros que participaram dos testes da fase 3, eles não são cobaias: são voluntários que se disponibilizaram a cooperar com o estudo de eficácia depois que já estava comprovado, com as pesquisas das fases 1 e 2, que a vacina era segura para humanos. Além disso, foram realizados estudos de fase 3 da CoronaVac em outros países, como Indonésia, Turquia e Chile. 


#FAKE Segunda dose da CoronaVac está relacionada à sua taxa de eficácia. A segunda dose do imunizante é um reforço da primeira e é necessária, mas vale lembrar que doses escalonadas são práticas comuns em programas de vacinação para reforçar a primeira dose. Isso está previsto na cartilha de vacinação do Ministério da Saúde e é importante para que o organismo aprenda a se defender melhor do vírus. Outras vacinas desenvolvidas contra a Covid-19 também precisam de duas doses para garantir imunização total. 


#FATO Vacina é eficaz, mas medidas de proteção continuarão sendo necessárias. Uma mensagem que circula nas redes sociais minimiza a importância da imunização por ainda ser necessário usar máscara e cumprir o distanciamento social após a vacinação. Essas medidas são importantes para que uma pessoa vacinada que tenha contato com o vírus não transmita para outras, embora ela esteja protegida.


#FAKE Vacinas não estão sendo aplicadas corretamente na população. Rumores nas redes sociais dizem que profissionais da área da saúde não estão injetando a vacina, apenas simulando. O que ocorreu de fato foi um caso isolado em Maceió. A técnica de enfermagem envolvida já foi afastada de suas funções.


#FAKE Primeiro indígena a tomar a CoronaVac no Acre morreu por causa da vacina. A médica que cuidou do caso do líder indígena Fernando Katukina já esclareceu que a morte não tem qualquer relação com o imunizante, ao contrário do que especulam as redes sociais.


#FATO Instituto Butantan pode confirmar a eficácia da CoronaVac em pacientes idosos. Apesar dos boatos que têm circulado nas redes sociais de que o Butantan não confirma a eficácia do imunizante em pacientes idosos, a eficiência e a segurança da vacina já foram comprovadas não só em indivíduos dessa faixa etária, mas também em pessoas com mais de 18 anos de idade.


#FAKE Funcionário do Samu morreu após tomar vacina contra a Covid-19. A Prefeitura de Maricá (RJ) esclareceu que é falsa a informação de que Robson Marques Lima faleceu após ser vacinado contra o novo coronavírus. A Secretaria de Saúde informou que Robson morreu no dia 24 de janeiro, por infarto agudo do miocárdio.


#FAKE Enfermeiras de Paraty são internadas depois de receberem CoronaVac. Essa notícia alarmista não passa de um boato. A Prefeitura de Paraty já desmentiu a informação e explicou que a vacina do Butantan não oferece risco aos imunizados.


#FAKE Diretor do Instituto Butantan e prefeito de São Paulo são parentes. Circula nas redes sociais uma publicação afirmando que Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, e Bruno Covas, prefeito de São Paulo, são irmãos. Essa informação é falsa. Dimas Covas e Bruno Covas, apesar de terem o mesmo sobrenome, não possuem qualquer grau de parentesco.


#FATO Site vacinaja, do governo de SP, não é golpe. O https://vacinaja.sp.gov.br/ é um site verdadeiro do Governo do estado de SP, para pré-cadastro da vacinação contra a Covid, e foi feito para dar detalhes sobre a vacinação no estado. Todas as pessoas aptas a receber a vacina podem fazer um pré-cadastro. No momento, a vacinação está liberada para grupos indígenas e profissionais de saúde.


#FAKE Políticos estão recebendo a CoronaVac antes da população. Políticos e seus familiares serão vacinados seguindo as mesmas regras da população em geral. Ninguém será privilegiado e não há distribuição ou venda da CoronaVac por qualquer meio que não o SUS. Recentemente, a filha de um ex-prefeito do Paraná apareceu nas redes sociais com um frasco da CoronaVac. O frasco estava vazio e era apenas uma amostra.


#FAKE A vacina do Butantan está sendo comercializada via internet ou em farmácias. Essa informação é inverídica. Até 17/01 a vacina do Butantan não tinha liberação para ser comercializada, e depois disso fica à disposição do SUS para integrar o Programa Nacional de Imunização.


#FAKE A vacina pode matar. Pelo contrário, a vacina salva. A vacina do Butantan utiliza o vírus inativado, uma tecnologia já bastante conhecida na produção de outras vacinas do instituto. Segundo os testes realizados, ela não causa nenhum efeito adverso grave nem prejudica a saúde da população.


#FAKE A China não utilizará CoronaVac. Em novembro, a China concedeu autorização especial para que a CoronaVac seja aplicada na população de alto risco, caso dos médicos e profissionais de saúde. Mais de 700 mil chineses foram vacinados com a CoronaVac em caráter emergencial até dezembro de 2020.


#FATO A vacina do Butantan é brasileira. A vacina do Butantan está sendo feita em parceria com a empresa chinesa Sinovac, mas é uma vacina brasileira, feita em São Paulo, no Butantan, porque prevê uso de tecnologia local.


#FAKE Os brasileiros serão cobaias da vacina. Todas as vacinas desenvolvidas pelo Instituto Butantan obedecem rigorosos critérios técnicos até que sejam disponibilizadas para a população. A CoronaVac já comprovou sua segurança e resposta imune nas fases 1, 2 e agora na fase 3 de testes, com 13 mil voluntários no Brasil. Outros países já provaram seu uso emergencial, como Turquia e Indonésia, e milhões de pessoas serão vacinadas. A vacina do Butantan está entre as mais seguras do mundo, segundo a revista científica Lancet.


#FATO Existe uma fábrica só para a vacina de Covid-19. O Instituto Butantan está ampliando sua capacidade de produção com uma nova fábrica, totalmente financiada com recursos privados. O objetivo é produzir 100 milhões de doses por ano da vacina contra Covid-19. Vale ressaltar que já temos capacidade de produzir a vacina na mesma linha de produção da vacina contra influenza. A técnica para ambas é a mesma, um processo que dominamos há muitos anos.


#FAKE Vacinas com insumos chineses não são seguras. Os chineses têm vasta experiência na produção de vacinas. Inclusive, é importante saber que a vacina de Oxford também utiliza insumos farmacêuticos vindos da China. Os testes com a vacina do Butantan comprovaram que ela não causa nenhum efeito adverso grave nem prejudica a saúde da população. É segura e pode salvar vidas. Ela é produzida com o vírus inativado, técnica que dominamos e que nos dá total segurança.


#FATO Outros países estão testando a vacina do Butantan e da China. Além do Brasil, a Indonésia e a Turquia foram países escolhidos para testar a vacina do Butantan e da China, por sua grande população e seus níveis de incidência da doença.


#FAKE Enxaguantes bucais evitam a Covid-19. Alguns estudos in vitro estão sendo conduzidos, mas não há evidências suficientes para comprovar essa afirmação. Inclusive, o Conselho Regional de Odontologia de São Paulo se posicionou a respeito, ressaltando o perigo dessa promessa e a falsa sensação de segurança que ela pode gerar.


#FATO O Brasil já usa muitos medicamentos produzidos na China. Existe muita desinformação quando se coloca em risco a credibilidade da China para produzir medicamentos. Cerca de 35% dos medicamentos usados e aprovados no Brasil possuem matéria-prima ou componentes de origem chinesa.


#FAKE Quem já teve Covid-19 não precisará receber a vacina. A maioria das pessoas que tiveram Covid-19 gera resposta imune, mas nem todos os casos têm resposta protetora e/ou duradoura. Portanto, as pessoas que tiveram Covid-19 deverão receber a vacina.


#FAKE Peru suspendeu testes com CoronaVac por problemas neurológicos em um voluntário. A vacina que teve ensaios clínicos interrompidos é de outra farmacêutica. A CoronaVac não está sendo testada no Peru.


#FAKE A Sinovac foi expulsa da China. A Sinovac não foi expulsa da China e continua, como faz há anos, fornecendo vacinas para o governo chinês. Em dezembro, uma equipe da Anvisa visitou a fábrica da Sinovac na China e concedeu à empresa a Certificação de Boas Práticas de Fabricação de Medicamentos, o que permitiu o início da produção das vacinas no Butantan.


#FATO A vacina do Butantan contra a Covid-19 é produzida com vírus inativados. A vacina do Butantan contra a Covid-19 é produzida com vírus inativados do novo coronavírus, ou seja, não oferece nenhum risco de infecção da doença. Essa tecnologia é uma especialidade do Butantan e usada em muitas outras vacinas bem-sucedidas, como a da gripe.