Crianças imunossuprimidas são mais vulneráveis à Covid-19 e podem ser protegidas pela CoronaVac

A CoronaVac é segura e deve ser utilizada em crianças com imunossupressão, alerta pesquisadores do Butantan


Publicado em: 16/02/2022

As crianças imunossuprimidas, que possuem alguma doença autoimune ou estão em tratamento contra o câncer, por exemplo, apresentam uma resposta do sistema imunológico reduzida, o que aumenta o risco de terem a forma grave da Covid-19 caso sejam infectadas. Essas crianças devem ser imunizadas contra o SARS-CoV-2, já que a vacina protege contra hospitalização e morte.

O diretor médico do Instituto Butantan, Wellington Briques, destaca a segurança da CoronaVac para esse público.  “O imunizante do Butantan é uma vacina segura que utiliza a plataforma de vírus inativado, amplamente conhecida e aplicada no mundo todo.”

Briques diz que estudos já mostraram que as crianças imunossuprimidas respondem tão bem à vacina quanto as crianças sem comorbidades, embora isso ocorra mais lentamente. “Junto do pedido de uso emergencial para a faixa etária de três a cinco anos para a Anvisa, o Butantan também irá solicitar o uso em crianças imunossuprimidas”, afirma o diretor.

As vacinas de vírus inativado, como influenza, HPV e raiva, como o próprio nome já diz, contêm vírus incapazes de causar a doença, sendo considerada muito segura tanto para imunossuprimidos como para indivíduos saudáveis e gestantes. Vacinas atenuadas, por exemplo, feitas com vírus enfraquecidos, não são recomendadas para quem tem resposta imune comprometida.

Outra vantagem do imunizante para imunossuprimidos é que a CoronaVac é a vacina que causa menos efeitos adversos, afirma a diretora de inovação do Butantan, Ana Marisa Chudzinski Tavassi.

“É evidente que precisamos imunizar a população imunossuprimida. Entre o risco de ter uma reação adversa leve com a vacina e o risco de contrair a Covid-19, evoluir para uma doença grave e ter sequelas, a imunização é melhor caminho e é esse o ‘risco’ que deve ser tomado”, reforça a pesquisadora.

Um estudo da Turquia feito com adolescentes com doenças reumáticas mostrou que a vacina do Butantan causa três vezes menos reações adversas do que vacinas de RNA mensageiro. Outras pesquisas também já atestaram a segurança e eficácia da CoronaVac em imunossuprimidos.  Esses dados também podem ser acessados no Dossiê CoronaVac focado em crianças e adolescentes, lançado em janeiro pelo Butantan.