CoronaVac manteve proteção inclusive durante surto da ômicron, indicam dados de Serrana

Soroconversão foi de 99% seis meses após segunda dose e expectativa é que níveis de anticorpos permaneçam altos


Publicado em: 10/05/2022

A quarta etapa de sorologia dos vacinados do Projeto S, estudo de efetividade da CoronaVac conduzido pelo Instituto Butantan em Serrana, interior de São Paulo, terá início no próximo sábado (14). Os resultados irão mostrar como está a resposta imune dos voluntários após um ano da imunização. Trata-se da última etapa de sorologia do estudo, que vem coletando amostras de sangue da população vacinada a cada três meses para avaliar a evolução da imunidade ao longo do tempo. Seis meses depois da segunda dose, 99% dos participantes ainda apresentavam produção de anticorpos.

Para o coordenador da etapa sorológica da pesquisa, o cardiologista Gustavo Volpe, do Hospital Estadual de Serrana, a expectativa é que os títulos de anticorpos continuem elevados. “A etapa sorológica é muito importante para entender como a CoronaVac está atuando para proteger a população de Serrana. Durante a maior incidência da variante ômicron, nós observamos um aumento no número de casos. No entanto, não houve aumento significativo no número de internações nem de óbitos, o que indica que a vacina está cumprindo seu papel de proteger contra casos graves”, afirma o coordenador da pesquisa. 

Os pesquisadores irão avaliar tanto a produção de anticorpos contra o SARS-CoV-2 como a atuação dos linfócitos T (resposta celular) e a memória imunológica – ou seja, a capacidade das células de reconhecer de forma rápida o vírus e iniciar uma resposta. Além disso, serão comparadas as respostas de adultos e idosos, para observar como o processo de envelhecimento do sistema imunológico pode interferir na capacidade do indivíduo de responder à infecção.

As fases anteriores da sorologia mostraram que a CoronaVac, além de manter a imunidade ao longo do tempo, também foi eficaz quando aplicada na terceira dose. Em Serrana, mais de 90% da população recebeu a vacina do Butantan e da Sinovac como dose de reforço, que aumentou em até quatro vezes os níveis de anticorpos na população idosa acima de 60 anos. 

Para integrar a quarta etapa da sorologia, é obrigatório que o indivíduo tenha participado da primeira fase da sorologia, mas não necessariamente da segunda ou da terceira. Cerca de três mil voluntários devem fazer parte da nova coleta. “Nós estamos trabalhando para que todos que participaram da primeira coleta, 3.902 pessoas, retornem agora para a quarta e última coleta”, diz Gustavo.

 

Por que esse estudo é importante

O Projeto S comprovou que a CoronaVac teve uma efetividade de 80,5% contra casos sintomáticos de Covid-19, 95% contra hospitalizações e 94,9% contra mortes. Além disso, a vacina estendeu a proteção àqueles que não foram imunizados no período do estudo, como as crianças e os adolescentes, reduzindo os casos inclusive nessa população. 

A etapa sorológica vem como um complemento desse trabalho, permitindo verificar quanto tempo dura a imunidade gerada pela vacina. Esse conhecimento pode ajudar a definir novas políticas públicas de vacinação e combate à Covid-19. “Entender a dinâmica da resposta imune induzida pela vacina é fundamental para futuros planejamentos de saúde pública, em termos de quantas doses seriam necessárias e de quanto em quanto tempo elas devem ser administradas. Nós acreditamos firmemente que o estudo proverá informações importantes para os gestores de saúde e para a comunidade científica”, reforça Gustavo.

Além disso, o Projeto S adotou uma metodologia pioneira no mundo, o ensaio clínico escalonado por conglomerados, que não utilizou placebo e possibilitou a vacinação segura de toda a população – algo extremamente importante em um cenário de emergência global de saúde pública. O estudo permitiu analisar de perto, passo a passo, a efetividade de uma vacina durante uma pandemia. “É um trabalho muito difícil de ser executado. O projeto descreve não só a parte operacional do estudo escalonado por conglomerados, mas também como se analisa estatisticamente esses resultados e como relacioná-los com o andamento da pandemia. Nós mostramos que esse tipo de estudo é factível e, mais do que isso, que é possível de ser feito no Brasil.”

 

Como participar da sorologia

A convocação da população acontecerá nos mesmos moldes das etapas anteriores: carro de som pelas ruas da cidade e envio de SMS, programado para os dias 11, 12, 18 e 19 de maio. Os participantes devem ter 18 anos ou mais e precisam levar um documento de identificação com foto e, se possível, a carteirinha de vacinação ou o cartão do Projeto S no dia da coleta de sangue.

Os interessados devem se dirigir a qualquer uma das escolas onde ocorreu a vacinação (lista abaixo), para coleta de amostra de sangue, entre 8h e 16h30.

•         EE Jardim das Rosas

•         EE Professora Neusa Maria do Bem

•         EMEF Professora Dilce Gonçalves Netto França

•         EMEF Professor Edésio Monteiro de Oliveira

•         EMEF Paulo Sérgio Gualtieri Betarello

•         EMEF Professora Maria Celina Walter de Assis

•         EMEF Professora Dalzira Barros Martins

•         EMEF Jardim Dom Pedro I