Pesquisa do Butantan confirma que imunização só se completa com 2ª dose da vacina; 71% dos positivos haviam tomado só uma dose
Publicado em: 30/06/2021

A terceira fase do inquérito domiciliar que o Instituto Butantan está realizando no município de Batatais, no interior de São Paulo, confirmou a necessidade de tomar as duas doses da vacina contra a Covid-19 para ficar protegido. De acordo com o estudo, que avalia a incidência do vírus SARS-CoV-2 na cidade, 71% dos casos analisados entre os dias 24 e 26/6 que deram positivo para a doença eram de pessoas que só haviam tomado a primeira dose da vacina.

Esse indicador confirma o que os cientistas do Butantan vêm afirmando há meses: a necessidade de que as pessoas que receberam a primeira dose da vacina voltem aos postos de saúde para tomar também a segunda dose. No caso da CoronaVac, vacina do Butantan produzida em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, a eficácia global é de 62,3% se o intervalo entre as duas doses foi maior ou igual a 21 dias. Somente com a primeira dose, o esquema vacinal e, consequentemente, a imunização ficam incompletos.

O inquérito domiciliar do tipo seriado faz parte do projeto Isolamento Inteligente, que o Butantan realiza em Batatais e Taquaritinga em parceria com as respectivas prefeituras. A cada duas semanas, uma equipe de agentes de saúde visita domicílios sorteados e realiza, em todos os moradores da casa, testes rápidos RT-PCR. O objetivo é estimar a incidência de SARS-CoV-2 nas populações dos dois municípios, acompanhar os casos positivos e as pessoas que entraram em contato com eles via Contact Tracing e avaliar dados secundários dos óbitos causados pela doença.

Entre 24 e 26/6, foram visitados 485 domicílios, nos quais foram entrevistadas e examinadas 829 pessoas. Dentre as pessoas que testaram positivo para Covid-19, a maioria era do sexo feminino (86%), tinha entre 50 e 69 anos (72%) e não possuía comorbidades (57%). Nenhuma das pessoas infectadas havia viajado recentemente.

Um indicador importante é que, como já havia sido identificado nas semanas anteriores, o inquérito apontou que a maioria dos positivos estava assintomática no momento do teste (86%). Além disso, a maioria das pessoas com Covid-19 relatou não ter tido contato com alguém que testou positivo para SARS-CoV-2 (71%), nem com casos suspeitos (86%).

O estudo mostrou uma incidência de 0,84% da presença do vírus em Batatais – na primeira fase do inquérito (29 a 31/5), a incidência foi de 1,86%, e na segunda (10 a 12/6), de 1,06%. Ao projetar a incidência encontrada na terceira fase na população total da cidade (63 mil habitantes), a estimativa é que haja 529 moradores com a doença.

Além do inquérito domiciliar seriado, faz parte do projeto Isolamento Inteligente a aplicação de uma estratégia de combate à pandemia a partir do isolamento de quem estiver com diagnóstico confirmado de Covid-19. A população de Batatais e Taquaritinga é incentivada a baixar o aplicativo Tainá/GHM e realizar diariamente uma autoavaliação de possíveis sintomas. Se a autoavaliação apontar que o morador pode estar com a doença, ele é orientado a se dirigir a uma UBS e fazer um exame de detecção de Covid-19. O laudo é enviado pelo aplicativo Tainá/GHM; se der positivo para Covid-19, o morador deve se isolar e ficar em casa.

A foto desta matéria foi gentilmente cedida pela Prefeitura Municipal de Batatais.