Governadores do Ceará e Espírito Santo demonstram interesse em adquirir ButanVac
Publicado em: 23/09/2021

Em coletiva de imprensa realizada no Instituto Butantan na tarde desta quarta (22), o governador do Ceará, Camilo Santana, e o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, manifestaram a vontade de contar com a ButanVac, a nova vacina do Butantan contra a Covid-19 que será inteiramente produzida no Brasil, para prosseguir com a vacinação nos estados. 

Renato Casagrande contou que o Espírito Santo já fez uma reserva de 4 milhões de doses da ButanVac junto ao instituto. “Assim que a vacina tiver aprovação da Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] para uso emergencial, nós poderemos continuar imunizando os brasileiros. É bom que a gente pode contar com o Butantan com essa produção”, informou o governador. 

 

Camilo Santana, do Ceará, pediu ao presidente do instituto, Dimas Covas, para também negociar doses da ButanVac. “Nós ainda não temos uma definição clara em relação à Covid-19, e não sabemos se vamos permanecer com a vacinação todos os anos. É mais uma vacina com que podemos contar”, explicou.

 

Dimas Covas disse estar otimista com os resultados da ButanVac até o momento, e afirmou que o imunizante é uma grande esperança para o Brasil e o mundo. “É uma vacina que apresentou resultados de imunogenicidade superiores às vacinas que estão sendo usadas atualmente. É uma vacina barata e produzida no Butantan.” Segundo ele, a fábrica do Butantan tem capacidade de produzir 200 milhões de doses por ano.

 

Sobre a ButanVac

A ButanVac é desenvolvida a partir da inoculação de um vírus modificado da doença de Newcastle que contém a proteína Spike do SARS-CoV-2 estabilizada. Como este vírus infecta aves e é inofensivo em humanos, ele replica muito bem em ovos embrionados de galinhas – mesma tecnologia da vacina contra a influenza (gripe). Além de ter baixo custo e ser muito disseminada, essa técnica é uma especialidade do Butantan: o instituto produz anualmente 80 milhões de vacinas da gripe usando ovos. A ButanVac é resultado de um consórcio internacional que envolve a organização PATH Center for Vaccine Innovation and Access, a Icahn School of Medicine no Mount Sinai em Nova York e a Universidade do Texas em Austin e tem potencial de elevar em mais de 1 bilhão por ano a atual oferta de imunizantes contra o SARS-CoV-2.

O ensaio clínico de fase 1 da ButanVac já está em andamento no Brasil nas cidades de Guaxupé, Itamogi e São Sebastião do Paraíso, em Minas Gerais; e Ribeirão Preto, em São Paulo. Os voluntários selecionados estão sendo vacinados com a CoronaVac, vacina do Butantan e da farmacêutica chinesa Sinovac contra a Covid-19, ou com a ButanVac.

O Butantan espera pela fase 2 para ampliar ainda mais o estudo. “Na fase 2 poderão participar todas as pessoas que foram vacinadas, com qualquer vacina, ou que tiveram Covid-19 e também foram vacinados. Ou seja, isso amplia muito o público que poderá participar e receber a ButanVac”, completou Dimas.