CoronaVac provoca maior resposta imune celular, importante na prevenção de casos graves de Covid-19, diz estudo

A frequência de linfócitos T, que também atuam no combate ao coronavírus, foi o dobro da encontrada em vacina de mRNA


Publicado em: 22/03/2022

Um artigo publicado na revista científica Respirology mostrou que a CoronaVac, vacina de vírus inativado do Butantan e da Sinovac, induz maior resposta imune celular contra a Covid-19 do que o imunizante de RNA mensageiro (mRNA) da Pfizer, produzindo uma frequência duas vezes maior de linfócitos T. O estudo foi conduzido por pesquisadores das faculdades de Medicina e de Saúde Pública da Universidade de Hong Kong.

Os 726 voluntários da pesquisa foram imunizados com a CoronaVac (360 participantes) ou com a Pfizer (366 participantes) entre março e agosto de 2021 no Centro Médico da Universidade de Hong Kong. Os cientistas compararam a resposta de linfócitos T (CD4+ e CD8+), células do sistema imunológico que agem como resposta antiviral através da produção de citocinas ou eliminando células infectadas.

Um mês após a segunda dose das duas vacinas, a frequência de linfócitos T CD4+ e CD8+ foi maior para os indivíduos imunizados com a CoronaVac do que naqueles vacinados com a vacina de mRNA. Para os linfócitos CD4+, a vacina do Butantan induziu resposta contra a proteína estrutural do vírus em 83,3% dos participantes, enquanto o outro imunizante produziu resposta em 32% dos vacinados. Já para os linfócitos CD8+, os índices foram de 63,3% e 32%, respectivamente. A resposta celular contra a proteína Spike também foi maior nos imunizados com a CoronaVac.

Segundo os pesquisadores, esse resultado é relevante porque a resposta de linfócitos T já foi associada à prevenção de casos clínicos graves de Covid-19. Ou seja, devido à maior frequência de linfócitos CD4+ e CD8+ no público imunizado com CoronaVac, as chances da doença evoluir para um quadro grave nos indivíduos que eventualmente forem infectados é consideravelmente menor.

“Outra vantagem das vacinas de vírus inativado é que elas contêm antígenos adicionais e altamente imunogênicos, como os da proteína N do vírus, que também podem induzir resposta de células T”, dizem os autores no artigo.

Além disso, uma boa resposta imune celular ajuda no combate às variantes de preocupação, que podem prejudicar a ação dos anticorpos – algo que já foi mostrado em todas as vacinas contra a Covid-19.

 

*Este texto é uma colaboração do jornalista científico Peter Moon para o portal do Butantan