Olhos de coruja e cabeça de cobra: não é uma assombração, é uma borboleta

Características físicas peculiares permitem se defender de predadores; veja curiosidades da borboleta-coruja


Publicado em: 22/03/2022

O que é, o que é: tem olhos de coruja, cabeça de cobra e voa pela noite atrás de alimento? Por mais que pareça uma assombração, na verdade são atributos da Caligo sp, espécie mais conhecida como borboleta-coruja.

Seu nome popular é fruto de uma de suas características mais marcantes: grandes manchas circulares pretas e marrom, chamadas de ocelos, muito semelhante a um olho de coruja, quando vistas de baixo. Segundo os especialistas, essa peculiaridade é fundamental para a sobrevivência da espécie, já que ao abrir as asas com dois grandes olhos arregalados, ela fica parecendo um animal muito maior, o que assusta os predadores. Já suas costas possuem escamas de cores azul vibrante.

Quando em repouso, o desenho de suas asas lembra também uma cabeça de cobra, o que ajuda a afugentar outros animais que queiram abatê-la. Em especial vespas minúsculas, que costumam furar suas asas para depositar ovos e parasitar a espécie com dezenas de larvas que vão se tornar outras várias vespas.

 

 

Esse processo de disfarce tem um nome: mimetismo. Na natureza, alguns animais não venenosos desenvolvem semelhança física com espécies venenosas por serem mais perigosas ou terem gosto considerado ruim, justamente para evitar serem presas fáceis. No mundo animal há muitas outras espécies que mimetizam (imitam) outras, como a borboleta vice-rei, que parece a borboleta-monarca, de gosto desagradável, e a falsa coral, que imita a venenosa cobra coral.

A borboleta-coruja é típica da América do Sul, mais especificamente na região de Mata Atlântica, entre os estados do Rio de Janeiro e São Paulo, e, quando adulta, voa ao cair da noite. Ela pode medir até 18 centímetros, o que a faz ser uma das maiores borboletas que existem. 

Seus ovos são depositados em folhas e as lagartas se desenvolvem em bananeiras pertencentes à família das Musaceae e gramínias da família Cyperáceas. Todo o seu processo de desenvolvimento, entre o ovo e a completa metamorfose de pupa para adulta, dura aproximadamente três meses. 

 

 

A espécie costuma se alimentar de folhas de bananeira quando lagarta e de frutas em decomposição que caem no chão; de fezes de animais e do néctar de flores quando adulta.

Sua beleza encanta quem a vê, seja pelas cores vibrantes de suas asas do lado externo, seja pela semelhança com outros animais que a torna sempre surpreendente. 

*Essa matéria contou com a colaboração dos tecnologistas do Laboratório de Coleções Zoológicas do Instituto Butantan, Eli Campos de Oliveira, e Natália Batista Khatourian.