CoronaVac eleva imunidade contra variantes de quem já teve Covid-19, mostra estudo chinês

Vacina do Butantan aumentou o nível de anticorpos IgG e a atividade neutralizante contra as variantes do vírus SARS-CoV-2


Publicado em: 23/03/2022

Um artigo publicado na revista Emerging Microbes and Infections demonstrou que, em indivíduos não vacinados e recuperados de Covid-19 há 12 meses, a imunização com a CoronaVac induziu alta atividade neutralizante contra as variantes delta, alfa e beta do vírus SARS-CoV-2, além de aumentar a quantidade de anticorpos. O estudo foi publicado no início do mês e conduzido por cientistas do Centro de Pesquisa de Doenças Infecciosas de Shenzhen, na China.

Participaram do estudo 22 pacientes convalescentes de Covid-19 que receberam uma vacina de vírus inativado um ano após a recuperação, sendo que 13 tomaram CoronaVac. Eles foram acompanhados durante três fases: (a) um mês depois da infecção, (b) um ano após a recuperação, antes da vacina, e (c) de duas semanas a três meses após a imunização.

Os cientistas avaliaram a duração da imunidade adquirida pela infecção e a eficácia da vacina. Decorridos 12 meses da recuperação, o nível de anticorpos IgG dos voluntários caiu 23,7%, e a capacidade de neutralização do vírus também foi reduzida, especialmente contra as variantes.

Com a administração da CoronaVac, houve um aumento de quatro vezes nos anticorpos IgG, atingindo níveis similares aos observados um mês após a infecção. Além disso, a atividade neutralizante contra a cepa original e contra as variantes aumentou de sete a 17 vezes.

"Os resultados apontam a queda de anticorpos neutralizantes um ano após a recuperação pela Covid-19, sugerindo um alto risco de reinfecção pelas novas cepas. A imunização com a vacina de vírus inativado potencializou a proteção tanto contra a cepa de Wuhan como contra as variantes", afirmam os autores no artigo.

 

*Este texto é uma colaboração do jornalista científico Peter Moon para o portal do Butantan