CoronaVac é segura, bem aceita pelo organismo e tem eficácia de 83,5%, de acordo com estudo clínico turco
Publicado em: 21/09/2021

Assim como já havia sido confirmado pelos ensaios clínicos de fase 3 conduzidos ao longo de 2020 no Brasil para avaliar a eficácia da CoronaVac, vacina do Butantan e da farmacêutica chinesa Sinovac contra a Covid-19, um estudo da Universidade Hacettepe, com sede em Ancara, na Turquia, mostrou que o imunizante é 83,5% eficaz contra o SARS-CoV-2, além de ser seguro e bem tolerado pelo organismo. A pesquisa foi publicada em julho na revista científica The Lancet e também na Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos, a maior biblioteca médica do mundo.

O estudo de fase 3, randomizado e duplo-cego, contou com a participação de 10.218 pessoas e foi feito entre 14 de setembro de 2020 e 5 de janeiro de 2021. Os voluntários foram avaliados sete, 14 e 28 dias depois de tomar cada uma das duas doses. Durante o acompanhamento médio de 43 dias, nove casos sintomáticos de Covid-19 foram confirmados no grupo que tomou a vacina e 32 casos foram relatados no grupo que tomou placebo. A CoronaVac preveniu hospitalizações em todos os voluntários, na comparação com os seis do grupo placebo. Não houve mortes nem no grupo que tomou a vacina e nem no grupo placebo.

 

Além disso, a CoronaVac induziu anticorpos em 89,7% dos participantes. Destes, 92% também produziram níveis protetores de anticorpos neutralizantes pelo menos 14 dias após a segunda dose da vacina.

O artigo destaca ainda que a vacina mostrou um perfil de segurança satisfatório, sem eventos adversos de grau 4 durante o período do estudo. A maioria dos efeitos adversos foi de grau 1 e ocorreu até sete dias após a injeção. A incidência total foi baixa (18,9%), e o principal sintoma foi fadiga.

“Nossos resultados mostram que a CoronaVac tem boa eficácia contra infecção sintomática por SARS-CoV-2 e Covid-19 grave com um perfil de segurança muito bom em uma população de 18 a 59 anos”, afirmaram os autores do artigo. “A tolerabilidade da CoronaVac neste estudo foi excelente e a incidência de eventos adversos foi baixa.” 

Participaram do estudo voluntários de diferentes grupos de risco e ocupação, tornando os resultados bem próximos ao contexto do mundo real. Receberam a vacina 6.646 pessoas, sendo que 3.568 voluntários tomaram placebo (substância ou tratamento sem um princípio ativo, como uma injeção de soro fisiológico). Do total de participantes, 57,8% eram homens e 42,24% mulheres, todos entre 18 e 59 anos. Desse grupo, 3.675 pessoas eram profissionais de saúde e 1.463 eram obesos. E entre todos os participantes, 6.217 tinham algum tipo de comorbidade – a maioria relatou ter hipertensão.

O ensaio clínico de fase 3 realizado no Brasil pelo Butantan envolveu 16 centros de pesquisa científica em sete estados e no Distrito Federal. O teste duplo cego envolveu 12,5 mil profissionais de saúde, e obteve 62,3% de eficácia global em casos leves, moderados ou graves, num espaço de 21 dias ou mais entre as duas doses.