Terceira dose de CoronaVac mantém anticorpos altos por até um ano, mostra pesquisa da China

.


Publicado em: 09/12/2021

A terceira dose de CoronaVac é capaz de manter anticorpos neutralizantes contra a Covid-19 altos por até um ano e, ao ser administrada oito meses após a segunda dose, pode prover imunidade mais prolongada em relação ao esquema vacinal primário. Estas são algumas das conclusões do estudo abordado pelo pesquisador Hongjie Yu, da Universidade Fundan, da China, no último dia do CoronaVac Symposium, nesta quinta (9). 

“O reforço homólogo é capaz de provocar uma imunidade prolongada e níveis de anticorpos mais altos, mas mais estudos precisam ser feitos”, ressalvou o cientista durante o simpósio. Online e gratuito, o evento é uma iniciativa do Butantan e da Sinovac e discute as principais pesquisas e descobertas sobre a CoronaVac com especialistas de diversos países. 

O estudo apresentado por Hongjie Yu avaliou a imunogenicidade da CoronaVac entre adultos saudáveis de 18 a 59 anos e idosos (350 pessoas), analisando a administração da terceira dose da CoronaVac dois meses depois da segunda dose e oito meses após a segunda dose.

De acordo com Yu, o estudo demonstrou que a terceira dose dada até dois meses após a segunda dose aumentou de forma moderada a imunidade de adultos de 18 a 59 anos, mas que o nível de anticorpos neutralizantes diminuiu para perto do limiar soropositivo seis meses após a terceira dose. Na terceira dose dada após seis meses, no entanto, a queda dos anticorpos neutralizantes aconteceu em um patamar menor em adultos até 59 anos. Já quando a terceira dose de CoronaVac foi administrada oito meses após a segunda dose, os níveis de  títulos de anticorpos (GMT) aumentaram.

Nos idosos, a pesquisa demonstrou que os níveis de anticorpos neutralizantes diminuíram a um limiar menor do que soropositivos seis meses após a segunda dose. Mas ao administrar a terceira dose oito meses após a segunda dose, houve um aumento dos anticorpos a um limiar maior do que depois da segunda dose.

Yu assinalou ainda que o estudo não reportou nenhum efeito adverso entre os voluntários. “A segunda dose de CoronaVac causa boa memória imunológica, que decai a um nível semelhante à de um soropositivo após seis meses. Mas a administração de uma terceira dose de CoronaVac oito meses após a segunda dose provoca um forte reforço na imunidade”, disse o pesquisador chinês.

 

 

Consulte a programação do terceiro dia do CoronaVac Symposium

Inscreva-se e participe

Saiba mais sobre o evento