CoronaVac com reforço heterólogo protegeu 97% dos profissionais de saúde contra a delta, aponta estudo turco

Entre 1.000 indivíduos, apenas 2,7% tiveram Covid-19; dose de reforço é importante para conter variantes do SARS-CoV-2


Publicado em: 09/05/2022

Um estudo conduzido na Turquia voltou a mostrar a alta proteção da CoronaVac contra infecções pelo SARS-CoV-2, evitando a doença em 97,3% do público analisado após a dose de reforço com vacina de RNA mensageiro. O artigo foi publicado na revista Journal of Medical Virology e conduzido por pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Siirt. O trabalho foi realizado entre julho e setembro de 2021, quando a variante delta era dominante no país.

Participaram da pesquisa 1.279 profissionais de saúde com idade média de 35 anos. Destes, 46,1% estavam totalmente vacinados, ou seja, haviam tomado duas doses da CoronaVac mais uma dose de reforço da Pfizer, ou então haviam tomado duas doses da Pfizer. Enquanto isso, 31,5% dos voluntários tinham esquema vacinal incompleto e 22,4% não estavam vacinados.

Ao investigar a transmissão do vírus, os pesquisadores descobriram que apenas 2,7% dos profissionais de saúde com o esquema vacinal completo de três doses chegaram a ter Covid-19. Trata-se da menor taxa de transmissão observada em todo o levantamento. Já entre os não vacinados, 26,2% desenvolveram a doença e 8% precisaram de internação hospitalar.

Vale ressaltar que a dose de reforço deve ser priorizada independente da vacina: de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), ambos os regimes homólogo (mesma vacina) e heterólogo (vacinas diferentes) são imunologicamente efetivos. Estudos já mostraram que a terceira dose da CoronaVac eleva a proteção contra o SARS-CoV-2 – uma pesquisa chilena, por exemplo, mostrou um aumento de 12 vezes nos níveis de anticorpos. Mais evidências sobre a eficácia da dose de reforço podem ser encontradas no Dossiê CoronaVac.

 

*Este texto é uma colaboração do jornalista científico Peter Moon para o portal do Butantan