Reforço homólogo com CoronaVac é tão eficaz quanto o heterólogo, mostra estudo com 4 milhões de pessoas

Terceira dose se manteve segura e protegeu mais de 80% contra hospitalizações, internações e mortes por Covid-19


Publicado em: 10/05/2022

Uma pesquisa chilena publicada na revista The Lancet Global Health voltou a mostrar que a dose de reforço homóloga (com a mesma vacina do esquema inicial de imunização) é tão eficaz quanto o reforço heterólogo (com uma vacina diferente). No estudo, indivíduos vacinados com CoronaVac nas três doses apresentaram níveis de proteção acima de 80% contra hospitalizações, internações em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e mortes relacionadas à Covid-19, um resultado semelhante ao observado com o reforço de outras vacinas. Os resultados haviam sido publicados no formato preprint em janeiro e foram aceitos após revisão por pares.

Os cientistas analisaram dados de mais de quatro milhões de pessoas do Chile que completaram o esquema de vacinação primário (duas doses) com a CoronaVac e receberam uma dose de reforço da CoronaVac, da AstraZeneca ou da Pfizer. A efetividade da terceira dose da CoronaVac foi de 86,3% contra hospitalizações, 92,2% contra admissões na UTI e 86,7% contra mortes.

“Muitas evidências sugerem que a proteção de todas as vacinas cai com o tempo, especialmente contra as novas variantes. Nossos resultados apontam que uma dose de reforço homóloga ou heteróloga para indivíduos com esquema completo de vacinação primária com CoronaVac fornece um alto nível de proteção contra Covid-19, incluindo doença grave e morte”, afirmam os pesquisadores no artigo.

No caso da CoronaVac, por se tratar de uma vacina de vírus inativado, sua aplicação na dose de reforço também é extremamente segura e não causa nenhum aumento de reatogenicidade – como pode acontecer com imunizantes produzidos com novas tecnologias, que provocam mais efeitos adversos. Saiba mais sobre a eficácia da dose de reforço da vacina do Butantan e da Sinovac no Dossiê CoronaVac.