Pesquisadores do Butantan traçam rota das variantes e confirmam que relaxamento das restrições aumentou circulação do SARS-CoV-2


Publicado em: 03/11/2021

Um ambicioso estudo de pesquisadores brasileiros e estrangeiros analisou o sequenciamento de 3.866 genomas do vírus SARS-CoV-2 coletados em todos os 27 estados brasileiros entre fevereiro de 2020 e junho de 2021 para estabelecer, pela primeira vez, um mapa com a dinâmica da introdução do vírus no Brasil, e demonstrar o papel decisivo do país na transmissão da variante gama na América do Sul e no mundo devido à falta de restrições sanitárias, especialmente em relação a viagens internacionais. Entre os pesquisadores envolvidos no estudo estão os cientistas do Instituto Butantan envolvidos na Rede de Alertas das Variantes do SARS-CoV-2 do Estado de São Paulo. 

De acordo com o artigo Genomic epidemiology reveals how restriction measures shaped the SARS-CoV-2 epidemic in Brazil, publicado no dia 14 na plataforma de preprints MedRxiv, o estágio inicial da pandemia no Brasil foi caracterizado pela cocirculação de várias linhagens virais ligadas a múltiplas importações. A maior parte das introduções importadas do vírus (estimadas em 114 independentes) vieram da Europa e ocorreram antes da implementação de medidas de restrição social, em abril de 2020. Pelo menos outros 33 eventos de introdução ocorreram durante a aplicação de medidas preventivas até agosto de 2020. 

Por outro lado, o Brasil foi um grande disseminador de variantes para outros países, com pelo menos 316 eventos de exportação da variante gama (P.1, amazônica) e 32 da variante zeta (P.2). A maior parte das exportações foram para a América do Sul (65%) e Europa (14%), seguidas por Ásia (11%), América do Norte (5%), África (2,5%) e Oceania (2,5%), com aumento no número de eventos de exportação entre janeiro e março de 2021 – época da segunda onda, em que houve o relaxamento das restrições a viagens internacionais. 

As estimativas do movimento viral dentro do Brasil sugerem que a região Sudeste foi a maior contribuinte de trocas virais para outras regiões, com 40% dos movimentos, seguida pela região Norte, com 25% de todos os movimentos virais. A rápida disseminação das variantes para outros países da América do Sul, como o Paraguai, indica que os controles de fronteira terrestre para conter a propagação internacional do vírus foram ineficazes. 

Os dados sugerem que a flexibilização das restrições de viagens nacionais e internacionais levantadas em certos pontos da pandemia foram responsáveis pela introdução de novas cepas e transmissão dentro do país, com viajantes infectados agindo como portadores - e a introdução das variantes gama e zeta para além das fronteiras brasileiras.

 

O caminho das variantes gama e zeta

A variante gama foi amostrada pela primeira vez no Brasil em janeiro de 2021. A análise filogeográfica sugeriu que ela emergiu por volta de 21 de novembro de 2020 em Manaus e se espalhou amplamente entre as regiões brasileiras. Os dados revelam múltiplas introduções desta linhagem para as regiões Sudeste, Nordeste e Centro-Oeste - e destes para a região Sul. Quanto à variante zeta, embora tenha sido descrita em outubro de 2020 no estado do Rio de Janeiro, a reconstrução filogeográfica sugere que se originou no Paraná no final de agosto de 2020. Desde então, ela se espalhou várias vezes para grande parte das regiões Sudeste, Nordeste, Centro-Oeste e Norte. 

No estudo, os pesquisadores fornecem também uma visão geral preliminar da pandemia de SARS-CoV-2 no Paraguai. Em colaboração com o Laboratório Nacional de Saúde Pública de Assunção, os cientistas analisaram um total de 63 sequências genômicas quase completas amostradas entre julho de 2020 e junho de 2021, representando cerca de 40% dos genomas atualmente disponíveis no Paraguai. Em 31 de julho de 2021, 78% das sequências genômicas disponíveis do país estavam relacionadas a infecções causadas por variantes brasileiras, sendo a variante gama a linhagem mais prevalente.

 

 

*Este texto é uma colaboração do jornalista científico Peter Moon para o portal do Butantan