CeRDI desenvolve anticorpos monoclonais para melhorar tratamento de doenças

Medicamentos são específicos e ajudam a reconhecer e combater vírus, bactérias e toxinas de forma mais rápida e eficaz


Publicado em: 01/07/2022

Um dos objetivos do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Imunobiológicos (CeRDI) é dedicar esforços para o avanço no desenvolvimento de anticorpos monoclonais humanos neutralizantes (humAbs), com foco no tratamento de zika vírus, febre amarela selvagem e influenza. Esses medicamentos são considerados de alta tecnologia e utilizados também para outras doenças.

Mas, de fato, o que são anticorpos monoclonais? A pesquisadora científica, Ana Maria Moro, diretora do CeRDI e do laboratório de biofármacos do Instituto Butantan, explica que são proteínas circulantes no sangue que ajudam a reconhecer e combater organismos invasores como vírus, bactérias e toxinas.

“Com esses anticorpos circulando no sangue, eles podem chegar a qualquer local, qualquer órgão para reconhecer os invasores. Depois eles se ligam de uma forma específica para conduzir o sistema imune no bloqueio direto do invasor, ou para ativar o sistema imune para que ele seja eliminado”, complementa a pesquisadora.

O principal benefício do uso dos anticorpos monoclonais é a agilidade e precisão no combate de doenças. É utilizado para o tratamento de câncer, osteoporose, artrite reumatoide, esclerose múltipla, doença de Chron, doenças autoimunes e infecciosas, lúpus, colite ulcerativa e psoríase.

“No caso do tratamento de câncer com anticorpos monoclonais, eles são capazes de reconhecer as células do câncer de uma forma muito mais específica do que uma quimioterapia, que age no organismo inteiro”, afirma Ana Maria.

Em geral os anticorpos são injetados na corrente sanguínea, mas há casos em que o próprio paciente pode fazer a aplicação de anticorpos monoclonais com uma injeção no formato de uma caneta. Um exemplo é o tratamento de Adalimumabe, uma doença autoimune, em que a pessoa faz o uso de uma injeção subcutânea. 

A proposta do CeRDI é desenvolver pesquisas orientadas e biofármacos para a resolução de problemas de saúde com relevância social e com impacto econômico no estado de São Paulo. Além disso, espera-se que os anticorpos monoclonais possam ser utilizados cada vez mais na prática clínica, com mais benefícios para os pacientes.


Anticorpo
s no tratamento da Covid-19

Em abril de 2020, pesquisadores do Instituto Butantan trabalharam no desenvolvimento de anticorpos monoclonais neutralizantes com células de defesa (células B) do sangue de pessoas que se curaram da Covid-19.

Segundo a pesquisadora, esses medicamentos têm sido usados nos pacientes de forma profilática para evitar que a infecção do coronavírus se torne grave e, consequentemente, uma internação na UTI.

Ela explica que o anticorpo não é capaz de reconhecer o vírus inteiro, mas sim um pequeno pedaço. Se esse anticorpo se ligar a uma região em que o coronavírus sofreu mutação grande, ele pode não funcionar mais. Mas, se ele se ligar a uma região em que o vírus não sofreu mutação, ele pode continuar funcionando e ter sucesso no tratamento.