Interromper avanço das variantes e acelerar vacinação é essencial para dar fim à pandemia, projeta presidente do Butantan


Publicado em: 13/08/2021

Se as variantes delta (B.1.617.2, indiana) e lambda (C.37, peruana) não se multiplicarem no Brasil e a velocidade de vacinação da população for acelerada, a pandemia pode acabar nos próximos dois anos. A projeção é baseada em um modelo matemático, explicado pelo presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, na videoaula online “A pandemia e a vacinação no Brasil e no mundo”.

Saiba mais: Pandemia de Covid-19 continua crescendo, mas estudo mostra que vacinação pode controlar o vírus

A previsão do médico hematologista e professor titular de medicina clínica da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo mostra que o número de casos começa a cair a partir deste mês, conforme a vacinação avança nos estados. “Se houver aceleração da vacinação, é possível que essa curva diminua mais rapidamente. Mas se, por outro lado, ocorrer o aumento das variantes, principalmente a delta, pode ser que essa curva se prolongue ainda mais com o tempo”, explica.

 

Conforme o Boletim Epidemiológico da Rede de Alertas das Variantes do SARS-CoV-2, a variante gama (P.1, amazônica) segue sendo a mais incidente no estado de São Paulo, sendo responsável por 89,82% das infecções.

Leia também: Mais de 80% das vacinas contra Covid-19 foram aplicadas em países ricos; número de casos volta a crescer com relaxamento de cuidados

Mas nem tudo depende das variantes. O professor relembra que é preciso continuar seguindo as medidas de proteção, como uso de máscaras, distanciamento físico, evitar aglomerações e aumentar a velocidade da vacinação. “Estamos vendo o mês 10, mês 11 e projetando o começo do próximo ano ainda com o número de casos elevados por dia e o número de óbitos também da mesma maneira, muito semelhante com o que observamos em maio, junho do ano passado”, lembrou.

Uma das conclusões do Projeto S, estudo de efetividade que o Butantan realizou no município paulista de Serrana para entender o impacto da vacinação no controle da pandemia, revelou que a cidade ficou protegida contra o SARS-CoV-2 com a imunização de 70% da população. A porcentagem serve de parâmetro para o resto do Brasil, mas, até o momento, somente 20% a 30% das pessoas tomaram as duas doses ou dose única da vacina contra a Covid-19, segundo dados do consórcio de veículos de imprensa brasileiros. 

Saiba mais: Acelerar segunda dose pode impedir o aparecimento de novas variantes, afirma Dimas Covas

A mensagem mais importante deixada pelo presidente do Butantan, Dimas Covas, é a necessidade de manter um ritmo acelerado de vacinação. “Temos o desafio de vacinar 100 milhões de pessoas. Quanto mais rapidamente vacinarmos esses 100 milhões, mais rapidamente vamos diminuir a curva e chegar próximo do zero.”