Publicado em: 19/07/2021

Quem tem histórico de trombose pode receber vacinas contra a Covid-19? Saiba se há contraindicações

Após receber um imunizante, é possível desenvolver algumas reações adversas, eventos indesejados que ocorrem após a administração de um medicamento. Muitas delas são esperadas, não apresentam riscos à saúde e desaparecem espontaneamente em um período de até 48 horas. Outras reações, muito raras, despertam a preocupação da população, como é o caso da trombose. Será que quem tem histórico de trombose pode receber vacinas contra a Covid-19?

De acordo com a área de Farmacovigilância do Butantan, até julho de 2021 não havia relatos de trombose associados à vacinação com a CoronaVac, imunizante contra a Covid-19 desenvolvido pelo instituto em parceria com a biofarmacêutica chinesa Sinovac.

No entanto, foram verificados e notificados em alguns países raríssimos eventos de trombose associados à trombocitopenia (baixa contagem de plaquetas) em pessoas que receberam vacinas que utilizam a tecnologia de vetor viral. A CoronaVac é feita a partir de vírus inativados (mortos), uma das tecnologias mais estabelecidas de produção de vacinas, e possui um alto perfil de segurança, com baixa ocorrência de reações adversas

É consenso entre especialistas, porém, que os benefícios da vacinação superam em muito seus riscos e, aliada às medidas sanitárias, a imunização é a melhor forma de conter a pandemia. Por isso, não faz sentido decidir não tomar um imunizante já testado e aprovado por receio dos possíveis efeitos adversos que ele possa causar. 

 

Vale ressaltar que, segundo orientações do PNI, pessoas com antecedente de trombose sem trombocitopenia (com plaquetas normais), ou mesmo com fatores de risco para trombose, não têm contraindicação para receber qualquer uma das vacinas disponibilizadas no Brasil. De acordo com o Documento Técnico do Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE) do Governo do Estado de São Paulo, a síndrome de trombose com trombocitopenia é um evento raro e muito específico, diferente dos casos habituais de trombose com níveis normais de plaquetas.

Outro ponto relevante a favor da imunização é que casos graves de infecção por Covid-19 podem aumentar o risco de trombose. Uma pesquisa publicada na Radiological Society of North America (RSNA) com 3.342 pacientes indicou que, entre infectados pelo SARS-CoV-2 que precisaram de hospitalização, a taxa de trombose chegou a 16,5%. As vacinas contra a Covid-19 têm alta eficiência para evitar quadros graves da doença.