Publicado em: 13/07/2021

CoronaVac possui alto perfil de segurança e baixa ocorrência de reações adversas; conheça as mais comuns

Efeitos adversos se caracterizam por uma ocorrência indesejada após a administração de um medicamento em doses corretas. Eles são esperados, previstos em bula e, em geral, são divididos entre muito comuns, comuns e incomuns. Com as vacinas, não é diferente. Após ser vacinado, o organismo do indivíduo pode desenvolver uma reação desagradável. Apesar disso, os imunizantes em uso no Brasil contra a Covid-19 já comprovaram sua segurança e eficácia com estudos clínicos e mostraram que seus benefícios são superiores às possíveis reações adversas. 

 A CoronaVac, vacina do Butantan contra o SARS-CoV-2 desenvolvida em parceria com a biofarmacêutica chinesa Sinovac, possui alto perfil de segurança. A própria tecnologia empregada na fabricação do imunizante, de vírus inativado, é uma das mais estudadas e seguras do mundo. O vírus é replicado e, posteriormente, morto. Assim, não é capaz de se multiplicar no corpo e adoecer o organismo, mas consegue desencadear a produção de anticorpos e produzir resposta imunológica.

Em estudos realizados na China com mais de 50 mil voluntários, 94,7% deles não apresentaram qualquer reação adversa ao serem imunizados com a CoronaVac. Efeitos adversos de grau baixo foram notados em 5,3% dos participantes, sendo os mais frequentes dores leves no local da aplicação (3%), fadiga (1,5%) e febre moderada (0,2%). Os dados foram divulgados em coletiva de imprensa do governo do estado de São Paulo em setembro de 2020. 

No Brasil, dados sobre a segurança da vacina do Butantan foram obtidos em ensaios clínicos de fase 3 com 9 mil voluntários em 2020. As manifestações indesejadas foram muito leves e não foi necessária atenção médica maior. No Projeto S, estudo clínico realizado pelo Butantan na cidade de Serrana, foram administradas 54.882 doses na população adulta do município e não houve relato de evento adverso grave relacionado à vacinação. 

Durante a aplicação da primeira dose do imunizante em Serrana, foram 4,4% de relatos de reações adversas e apenas 0,02% considerados de grau 3 (mialgia e cefaleia), porque interferiram nas atividades diárias. Já na segunda dose, foram apenas 0,2% de relatos de efeitos adversos, nenhum considerado de grau 3 ou superior. 


Possíveis efeitos adversos da CoronaVac

As reações adversas abaixo foram observadas a partir do estudo clínico de fase 3 em adultos (18 a 59 anos) até sete dias após a administração da segunda dose da vacina:

 Muito comuns (mais de 10% dos pacientes)

- Sistêmica: dor de cabeça, cansaço

- Local: dor

 Comuns (entre 1% e 10% dos pacientes)

- Sistêmica: enjoo, diarreia, dor muscular, calafrios, perda de apetite, tosse, dor nas

articulações, coceira, coriza, congestão nasal 

- Local: vermelhidão, inchaço, enduração, coceira

Incomuns (entre 0,1% e 1% dos pacientes)

- Sistêmica: vômito, febre, vermelhidão, reação alérgica, dor de garganta, dor ao engolir, espirros, fraqueza muscular, tontura, dor abdominal, sonolência, mal-estar, dor nas extremidades, dor abdominal superior, dor nas costas, vertigem, falta de ar, inchaço

- Local: hematoma


As reações adversas abaixo foram observadas a partir do estudo clínico de fase 3 em idosos (acima de 60 anos) até sete dias após a administração da segunda dose da vacina:
 

Muito comuns (mais de 10% dos pacientes)

- Local: dor

Comuns (entre 1% e 10% dos pacientes)

- Sistêmica: enjoo, diarreia, dor de cabeça, cansaço, dor muscular, tosse, dor nas articulações, coceira, coriza, dor ao engolir, congestão nasal

- Local: coceira, vermelhidão, inchaço, enduração

Incomuns (entre 0,1% e 1% dos pacientes)

- Sistêmica: vômito, calafrios, diminuição de apetite, reação alérgica, tontura, hematoma, hipotermia, desconforto nos membros, fraqueza muscular 

- Local: hematoma


Para reportar um evento adverso após receber a CoronaVac, entre em contato com o setor de Farmacovigilância do Instituto Butantan (farmacovigilancia@butantan.gov.br) e, se necessário, avise seu médico.