Como é produzido o soro contra o veneno das cobras?
Publicado em: 19/03/2021

Você sabe como é produzido o soro antiofídico, o famoso antídoto contra o veneno das cobras?

O Instituto Butantan produz diversos tipos de soros para combater o veneno de animais peçonhentos, dentre eles o antídoto indicado no tratamento do envenenamento por serpentes. O soro antiofídico faz parte do tratamento contra acidentes por serpente e é realizado em hospitais de todo o Brasil, salvando milhares de pessoas todos os anos.

Dependendo do tipo de cobra que causou o acidente, existe um tipo de soro - afinal, são muitas espécies de cobras. Porém, o processo de produção de cada soro é o mesmo, e a efetividade do produto também.

Entenda a seguir todo o processo de produção do soro antiofídico em cinco passos.

 

1.      O primeiro passo é extrair da serpente o veneno e transformá-lo em antígeno. Antígenos são substâncias capazes de fazer o sistema imunológico reagir, produzindo anticorpos.

 

2.      Os antígenos são aplicados em cavalos, em pequenas doses (que não prejudicam a saúde do animal), para provocar a produção de anticorpos. Dependendo do antígeno, será produzido um tipo de anticorpo específico contra cada veneno - se o antígeno tiver sido extraído de uma cobra coral, o anticorpo produzido combaterá o veneno da cobra coral.

 

3.      Quando se formam anticorpos suficientes no organismo do cavalo, o plasma (a parte do sangue onde ficam os anticorpos) é coletado.

 

4.      Após testes, o plasma é submetido a um processamento industrial, utilizando métodos físico-químicos, obtendo ao final os soros específicos. Os soros antiofídicos são envasados em frascos-ampola com 10 ml de solução líquida contendo anticorpos purificados. 

 

5.      Nas diversas etapas de produção, os soros passam por testes de controle de qualidade, garantindo ao final produtos seguros e eficazes. Pronto! Está feito o soro antiofídico.