Brasil conquista duas pratas e dois bronzes na Olimpíada Ibero-Americana de Biologia
Publicado em: 13/09/2021

No ano em que muitos se envolveram e vibraram com as Olimpíadas de Tóquio, a onda vitoriosa dos atletas brasileiros foi além do esporte e chegou na ciência. Na última sexta (10), o Brasil conquistou quatro medalhas na Olimpíada Ibero-Americana de Biologia (OIAB) – competição anual entre alunos de países da América Latina, Portugal e Espanha –, que aconteceu entre os dias 5 e 10/9. "Estou muito feliz com o resultado conquistado por nossa delegação, formada por duas meninas e dois meninos da rede pública e privada. Os alunos vencedores se destacaram pela dedicação e resiliência frente aos desafios impostos pela pandemia”, diz a coordenadora nacional da Olimpíada Brasileira de Biologia (OBB) e pesquisadora científica do Butantan, Sonia de Andrade Chudzinski.

Os estudantes Marcela Hernandes Pereira, do Objetivo Colégio Integrado, de São Paulo-SP, e Vinícius Kenji Amano Tanaka, do Etapa Colégio, de Valinho-SP, foram premiados com medalhas de prata. Eles são do 3º e 2º ano do Ensino Médio, respectivamente. Os outros dois brasileiros, Bruna da Motta Sonntag, do Colégio Militar de Manaus, de Manaus-AM, e Gustavo Costa Holanda, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco, de Recife-PE, receberam medalha de bronze. Ambos cursam o 3º ano. “Os vencedores são ótimos estudantes e certamente serão ótimos profissionais amanhã”, diz Sonia.

Os representantes do Brasil na disputa foram classificados pela OBB, promovida pelo Instituto Butantan com o apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações, do Ministério da Educação, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, da Fundação Butantan, da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e da Veritas Bio. Na edição deste ano, os quatro primeiros colocados na prova final da OBB disputaram o título internacional – na IBO, e os participantes que ficaram entre o quinto e oitavo lugar participaram da OIAB. Devido à pandemia, as provas teóricas e práticas ocorreram de forma virtual e a cerimônia de encerramento foi transmitida em tempo real pelo Youtube.

Saiba mais sobre a OBB e as competições de biologia internacionais

"Aos estudantes vencedores da OIAB: vocês representam seus países, seus colégios, suas famílias e amigos. Por isso todos têm uma grande responsabilidade de dar o exemplo de esforço científico, acadêmico e valores humanos. Agradecemos por cada um que cumpriu o seu dever nesta edição”, disse o presidente da OIAB, David Pacheco, durante a premiação. O evento foi organizado pela Costa Rica e contou com a inscrição de 12 países e 46 estudantes.

De acordo com Sonia Andrade, o Instituto Butantan está cada vez mais envolvido nas olimpíadas, por isso a expectativa para as próximas competições é positiva. “O Brasil participará, nos próximos três anos, da comissão organizadora da OIAB. Poderemos contribuir para a estruturação da prova e da competição, e potencializar as olimpíadas como fonte de capacitação de jovens talentos e da promoção da pesquisa, desenvolvimento e inovação”, explica a coordenadora nacional da OBB.