ENTRE ASPAS
Todas as perguntas e dúvidas sobre vacinas são legítimas e estamos aqui para esclarecer. A única forma de vencermos o medo e o preconceito é com informação correta.
Cintia Retz Lucci
diretora de Projetos Estratégicos do Instituto Butantan

VOCÊ SABIA?
Você sabia que o Butantan produz outros 7 tipos de vacina, além da CoronaVac?

A fábrica do Butantan está a todo vapor, produzindo a vacina do Brasil contra a Covid-19. Com as linhas de produção trabalhando 24 horas por dia, sete dias por semana, a capacidade de produção diária pode chegar a 600 mil doses. Mas não é só isso: além da CoronaVac, o Butantan produz outras sete vacinas: contra raiva, HPV, Hepatite A, Hepatite B, Influenza Trivalente, H1N1 e DTPa. Ao todo, são fabricadas no Instituto Butantan 120 milhões de doses de vacinas por ano.


#FAKE A vacina do Butantan contra a Covid-19 imuniza também contra a gripe H1N1. Isso não é verdade. Quem recebe a CoronaVac fica imunizado somente contra a Covid-19. Para se imunizar contra o vírus causador da H1N1 é preciso tomar a Vacina Influenza Trivalente (Fragmentada e Inativada), também fabricada pelo Butantan. Essa vacina é bem conhecida dos brasileiros: é a vacina da gripe distribuída pelo Programa Nacional de Imunizações gratuitamente a pessoas maiores de 60 anos e crianças menores de seis anos, e que protege contra três tipos de gripe, inclusive a H1N1.


#FAKE A vacina facilita o aparecimento de novas variantes do coronavírus. Essa insinuação foi feita publicamente por um mandatário, mas não corresponde à verdade. A CoronaVac foi aprovada pela Anvisa, é segura e eficaz, inclusive contra novas cepas do coronavírus causador da Covid-19. Ela é feita a partir de vírus inativados, ou seja, mortos, e que são incapazes de fazer mal ao organismo humano.


#FAKE Vacina não foi aprovada na fase 3 na China e, por isso, brasileiros se tornaram cobaias. Tanto é mentira que a vacina não foi aprovada na China, quanto que brasileiros são cobaias. Em fevereiro de 2021 o governo chinês deu sua aprovação à CoronaVac (uma autorização especial havia sido concedida em novembro de 2020). Quanto aos brasileiros que participaram dos testes da fase 3, eles não são cobaias: são voluntários que se disponibilizaram a cooperar com o estudo de eficácia depois que já estava comprovado, com as pesquisas das fases 1 e 2, que a vacina era segura para humanos. Além disso, foram realizados estudos de fase 3 da CoronaVac em outros países, como Indonésia, Turquia e Chile.


#FAKE Segunda dose da CoronaVac está relacionada à sua taxa de eficácia. Doses escalonadas são práticas comuns em programas de vacinação para reforçar a primeira dose. Isso está previsto na cartilha de vacinação do Ministério da Saúde e é importante para que o organismo aprenda a se defender melhor do vírus. Outras vacinas desenvolvidas contra a Covid-19 também precisam de duas doses para garantir imunização total. 


VÍDEOS