laboratório de imunopatologia

 

 Editor de Conteúdo

 
responsável pela unidade:
Eliana Faquim de Lima Mauro – elianafaquim@butantan.gov.br


pesquisadores da unidade:
Ana Maria Moura da Silva – anamoura@butantan.gov.br

Eliana Faquim de Lima Mauro – elianafaquim@butantan.gov.br
Geraldo Santana Magalhães – gsmaga@butantan.gov.br
Irene Fernandes – irenefernandes@butantan.gov.br
Kátia Cristina Bárbaro Nogueira – kbarbaro@butantan.gov.br
Maisa Splendore Della Casa – dellacasa@butantan.gov.br
Marisa Rangel – mrangel@butantan.gov.br
Patricia Bianca Clissa – clissapb@butantan.gov.br

objetivo geral da unidade
O Laboratório de Imunopatologia foi originado a partir do antigo Centro de Pesquisa e Formação em Imunologia da Organização Mundial de Saúde – OMS, fundamental para a formação de imunologistas no Brasil e em demais países da América Latina. Sob coordenação do Prof. Ivan Mota, o grupo publicou trabalhos importantes nas áreas de hipersensibilidade imediata e doença de Chagas experimental. A partir dos anos 1980, novas linhas de pesquisa foram implantadas e, atualmente, os projetos realizados pelo grupo podem ser reunidos nas 3 linhas de pesquisa descritas abaixo. Podem ser destacados vários trabalhos de repercussão internacional publicados na última década, trazendo importantes resultados em diversas áreas do conhecimento, como a compreensão do mecanismo de ação e potencial biotecnológico de metaloproteinases e disintegrinas de venenos viperídeos, identificação de antígenos de helmintos reguladores da resposta imune e da produção de anticorpos anafiláticos, caracterização de venenos pouco estudados como de lacraias, aranha marrom (Loxosceles) e raias, estudo dos isótipos de imunoglobulinas protetores em diversas patologias, bem como métodos para redução da quantidade de proteína heteróloga usada em imunoterapia usando isotipos isolados de imunoglobulinas ou anticorpos monoclonais. Estes trabalhos também resultaram no depósito de patentes referentes a marcadores moleculares. Paralelamente à repercussão científica e laboratorial, o grupo forma pesquisadores nas mais diversas áreas, como Toxinologia, Imunologia, Farmacologia Molecular e Bioquímica. Além disso, dada a relevância das linhas de pesquisa desenvolvidas, várias colaborações com pesquisadores dentro do próprio Instituto Butantan, além de outras Instituições nacionais e internacionais, foram estabelecidas visando o aprimoramento e intercâmbio nos diversos campos. Diante da relevância das pesquisas realizadas pelo grupo, ele vem recebendo, ao longo destes anos, apoio financeiro de entidades oficiais de fomento do Brasil e do exterior.

linhas de pesquisa
Caracterização molecular e funcional de toxinas de venenos animais
Explorar a diversidade dos venenos e das toxinas de serpentes, aranhas, escorpiões, lacraias, raias, vespas, esponjas, dinoflagelados e cianobactérias com o objetivo de compreender seu mecanismo de ação e papel no envenenamento e caracterizar ferramentas biológicas que possam ser utilizadas como modelos para o desenvolvimento de drogas. Nesses trabalhos são utilizados venenos brutos, toxinas nativas isoladas e toxinas recombinantes obtidas por expressão em bactérias, leveduras e células de mamífero.

Estudo dos anticorpos: Aprimoramento da imunoterapia e desenvolvimento de monoclonais e recombinantes otimizados para terapia e diagnóstico
Caracterização dos isótipos de IgG envolvidos na neutralização de toxinas ou vírus para o aprimoramento do processo de produção de soro usado na terapia. Desenvolvimento de anticorpos monoclonais murinos e recombinantes expressos em bactérias para novos kits diagnósticos. Otimização da afinidade e especificidade de anticorpos recombinantes humanos scFv através de mutagênese sítio-dirigida, estipulada por um algoritmo evolutivo utilizando a tecnologia AntibodyEvolution (AbEvo)

Mecanismos de regulação da resposta imune 
Esta linha de pesquisa tem como objetivo contribuir para o esclarecimento dos diversos mecanismos de regulação da resposta imune pela ação de substâncias com potencial supressor, como antígenos de helmintos e toxinas de venenos ofídicos. A regulação da síntese de anticorpos anafiláticos murinos e a caracterização estrutural/funcional, assim como a participação dessas moléculas nas reações alérgicas têm sido alvo desses estudos.