laboratório de genética​​

 

 Editor de Conteúdo

 
responsável pela unidade:

Irina Kerkis – irina.kerkis@butantan.gov.br

pesquisadores da unidade:
Alexandre Pereira
alexandre.pereira@butantan.gov.br

Adriana da Costa Neves
adriana.neves@butantan.gov.br

Alvaro Rossan de Brandão Prieto da Silva
alvaro.prieto@butantan.gov.br

Aurora Marques Cianciarullo
aurora.cianciarullo@butantan.gov.br

Dirce Sakauchi
dirce.sakauchi@butantan.gov.br


Irina Kerkis
irina.kerkis@butantan.gov.br


Itamar Romano Garcia Ruiz

Marcelo Palma Sircili
marcelo.sircili@butantan.gov.br


Rita de Cassia Stocco
rita.stocco@butantan.gov.br

pesquisadores associados:
Willy Beçak
Alexandre Kerkis

contato:
genetica@butantan.gov.br

objetivo geral da unidade

O Laboratório de Genética faz estudos multidisciplinares que contribuem para o desenvolvimento da pesquisa em diversas áreas como agropecuária, saúde humana e animal, e toxinologia. Realiza estudos com papilomavírus em bovinos e humanos; desenvolve estratégias vacinais (profiláticas e terapêuticas) e anticorpos monoclonais; e estuda a expressão gênica viral e interação patógeno – célula hospedeira. Trabalha ainda com isolamento, caracterização, diferenciação e estudo do potencial terapêutico dos vários tipos de células-tronco e células cancerígenas. Procedem à clonagem, expressão e sequenciamento de toxinas isoladas de venenos, analisando a eletro fisiologia da ação dos venenos no sistema nervoso central, investigando multifuncionalidade biológica e potencial terapêutico de toxinas. Adicionalmente, forma recursos humanos em todos os níveis de aperfeiçoamento cientifico. Seus projetos são apoiados pelas agências de fomento em nível estadual e federal, com a participação em programas nacionais e internacionais científicos e de inovação tecnológica.

linhas de pesquisa

1.   Pesquisas com células-tronco

  1. Estão sendo implantados protocolos para isolamento, estabelecimento, manipulação, caracterização e diferenciação de células-tronco pluripotentes embrionárias e induzidas, e de células-tronco adultas humanas de diferentes tecidos, em especial as células isoladas de polpa dentária. A contribuição científica dos estudos realizados pelo grupo tem ajudado a visualizar o real potencial da utilização terapêutica das células-tronco adultas. Está sendo desenvolvido um tratamento que visa à reconstrução da córnea em modelo animal – estudo pré-clinico cujos resultados terão uma aplicação imediata no tratamento das deficiências de córneas em humanos. Além disso, outros estudos prevendo a reconstituição óssea, muscular e de outros tecidos estão em andamento. O grupo solicitou a patente de tecnologia de isolamento e de aplicação terapêutica de células-tronco no Brasil.
  2. auxílios vigentes
  3. - Projeto Temático: Células-tronco adultas versus células-tronco pluripotentes induzidas. (Fapesp). Coordenador: Profa. Dra. Irina Kerkis
  4. - Projeto Auxílio de Pesquisa (Fapesp): Ánálise do estado funcional dos gametas masculinos obtidos in vitro a partir de células-tronco embrionárias de camundongo. (Fapesp). Coordenador: Profa. Dra. Irina Kerkis
2.   Estudos em papillomavirus, HPV e BPV: estratégias vacinais

  1. O amplo conhecimento obtido sobre estes agentes virais, sua interação com a célula hospedeira, formas de transmissão e sinergismo com cofatores conduziu a linha de pesquisa ao desenvolvimento de estratégias vacinais com a utilização de proteínas recombinantes. Os estudos em bovinos já se encontram em etapa de testes de campo, com capacidade profilática estabelecida. Os dados, além de sua óbvia relevância em pecuária, contribuem para o estabelecimento da plataforma para o vírus humano.
  2.  auxílios vigentes
  3. - Desenvolvimento e avaliação de estratégias vacinais contra o papilomavírus bovino baseadas em “Virus-likeParticles” e imunização genética (CNPq). Coordenador–:Prof. Dr. Willy Beçak
  4. – Desenvolvimento e avaliação de estratégias vacinais contra o papilomavírus bovino: proteínas recombinantes (CNPq). Coordenador: Profa. Dra. Rita de Cassia Stocco 
3.   Genética molecular de tumores cutâneos 

  1. A pele é o maior órgão do corpo humano, estando sujeita à ação de inúmeros agentes externos capazes de gerar lesões, que podem se tornar malignas. Melanoma e os carcinomas basocelular e espinocelular estão sendo estudados visando à caracterização molecular e comparação do ponto de vista da diferente habilidade desses tumores em gerar metástases. Foram realizados estudos referentes a alterações no DNA repetitivo como os microssatélites visam a identificação de marcadores genéticos moleculares com potencial diagnóstico e prognóstico. Também estão sendo estudados polimorfismos gênicos que podem caracterizar a predisposição do indivíduo ao desenvolvimento de diferentes tipos de câncer de pele. 
4.   Pesquisas em vírus de papiloma humano (HPV) e o câncer anogenital 

  1. A infecção por certos HPV (Human Papiloma Virus) representa o maior fator de risco para o desenvolvimento de câncer anogenital, sendo o principal agente etiológico desta doença sexualmente transmissível. As vias endocíticas celulares são utilizadas por muitas famílias virais para infectar células hospedeiras para replicação e seu estudo colabora com a compreensão dos mecanismos envolvidos no processo infeccioso, assim como na transmissão horizontal e vertical. Os estudos podem ser colaborativos ao desenvolvimento de processos vacinais. 
5.   Efeito de toxinas de venenos ofídicos sobre células tumorais e seu uso como moléculas transportadoras 

  1. Algumas moléculas isoladas de animais servem como um templo para desenvolvimento de novos fármacos. Estudamos crotamina, uma mio-neurotoxina de pequeno porte, isolada do veneno de cascavel, Crotalusdurissusterrificus. Esta toxina foi descoberta há meio século e, somente nos últimos anos, suas excepcionais multifuncionalidade biológica e utilidade biotecnológica foram demonstradas pelo Laboratório. A crotamina tem demonstrado seletividade para células tumorais, atividade antimicrobiana, capacidade de marcação de ciclo celular e atuação como sonda diagnóstico para a detecção dos tumores. 
6.   Genética molecular de genes codificadores de toxinas de venenos ofídicos e efeito das mesmas sobre células tumorais 

  1. Estão sendo clonados e sequenciados os genes codificadores de jararagina e bothropasina, toxinas presentes no veneno de Bothrops jararaca, a partir do DNA genômico. Estão sendo caracterizados os exons correspondentes aos diferentes domínios proteicos, e introns, alguns dos quais poderão ser usados futuramente como vetores anticarcinogênicos. Paralelamente, estão sendo feitas culturas de células de melanoma humano com o objetivo de testar os efeitos in vitro na morfologia e expressão gênica das células tumorais induzidos pela toxina ofídica jararagina, isolada de Bothrops jararaca, além de outras substâncias químicas. 
7.   Genética molecular de vertebrados 

  1. A regulação gênica e evolução em vertebrados têm sido exaustivamente estudadas no Laboratório de Genética, particularmente em serpentes e anfíbios poliplóides, tanto do ponto de vista citogenético como molecular. Atualmente está sendo complementada a clonagem e o sequenciamento dos cistrons ribossômicos das espécies crípticas deOdontophrynusamericanus 2n e 4n a fim de comparar a evolução molecular de espécimens diplóides e tetraplóides do ponto de vista das sequências codificadoras do rRNA 28S. Além disso, sequências codificadoras do Fator XII de galinhas Leghorn e Bothrops jararaca estão sendo investigadas pelas técnicas de clonagem e sequenciamento, em colaboração com pesquisadores do laboratório de Farmacologia, IBU.