Você no Butantan: Fernando Ferreira de Souza, secretário do Ambulatório Médico do Butantan

Quem já passou pelo Ambulatório Médico do Instituto Butantan possivelmente foi atendido pelo secretário Fernando Ferreira de Souza, 43. Ele contou ao Butantan Notícias, dentre outras coisas, como após ter trabalhado dez anos em uma fábrica de papel,  mudou radicalmente sua vida profissional após passar em um concurso público como auxiliar em saúde. Colaborador há 5 anos do Instituto, Fernando também falou sobre seus desafios pessoais ao trabalhar na área da saúde e sobre as coisas que gosta de fazer nas horas vagas, como curtir a família e um bom jogo de futebol.

 

Butantan Notícias – Conte sobre sua trajetória profissional. Como ingressou no Instituto Butantan?

Fernando - Eu trabalhei durante 10 anos em uma fábrica de papel, onde fazíamos sulfite, envelope, esses tipos de materiais. Em seguida, prestei um concurso público para auxiliar de saúde, em 2014, e desde então estou aqui na recepção do ambulatório do Instituto, realizando as questões burocráticas de atendimento aos pacientes. Há mais ou menos um ano estou como chefe 1. Por um tempo, eu tive oportunidade de trabalhar na diretoria técnica, mas logo voltei para o ambulatório.

BN – Como é a sua rotina? O que você faz em seu trabalho?

Fernando – Olha, eu chego bem cedo aqui (risos), faço o atendimento básico, ou seja, as pessoas chegam, eu faço o pronto atendimento, a parte periódica, teste admissional e também a parte mais burocrática que é validar os atestados, mexer em planilhas e cadastros.

BN – Na prática, de que forma o trabalho do seu setor se integra ao Butantan?

Fernando - Do meu ponto de vista, nosso trabalho é de grande importância. Nós atendemos a todos os funcionários do Instituto, incluindo terceiros, com atenção e bom humor, principalmente porque está relacionado a saúde, e o Butantan preza muito que o seu colaborador esteja em plena saúde para realizar o seu trabalho.

BN – E quais são os desafios de trabalhar na recepção de um ambulatório?

Fernando – Bom, eu não sou muito de enfermagem, então as vezes entra uma pessoa machucada no ambulatório ou passando muito mal, eu fico meio preocupado, acho bem desafiador. As pessoas que chegam dessa forma, me deixam até meio perdido, acho complicado ter que lidar com essa parte da enfermagem, sabe? E também em épocas de vacinação, as crianças chegam para tomar vacina e choram muito, sinto vontade de ir lá ajudá-las, mas não tem o que fazer, é meio desesperador.

BN – Em suas horas vagas, o que você gosta de fazer?

Fernando - Eu sou muito tranquilo, caseiro, gosto de ver televisão, jogar bola - apesar de ter me machucado nos últimos tempos, no joelho. Gosto muito de estar com minha família, minha esposa e os meus dois filhos, o mais velho de 22 anos e a mais nova de 16. Eles também são bem caseiros, estamos sempre juntos, nos divertindo.

BN - O que o Butantan representa para você?

Fernando – O Butantan pra mim se destaca muito pela atenção que dá aos colaboradores. Sinto que eles nos valorizam e nos estimulam para o nosso crescimento. A particularidade que vejo aqui é isso, sinto que a empresa está sempre estimulando o seu colaborador para que ele cresça como profissional e como pessoa.

 

(por Fernanda Ribeiro)