Terceira dose da CoronaVac recupera soroconversão, mostra estudo chinês

Vacinados com a dose de reforço também apresentaram aumento do nível e da duração de anticorpos neutralizantes


Publicado em: 06/06/2022

Uma pesquisa conduzida em Fujian, na China, mostrou que, após a dose de reforço da CoronaVac, todas as pessoas analisadas recuperaram a imunidade e apresentaram soroconversão (produção de anticorpos) contra o SARS-CoV-2, com níveis elevados de anticorpos neutralizantes. Publicado na revista Frontiers in Immunology, o trabalho foi feito por pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Xiamen e da empresa Xiamen Boson Biotech.

Participaram do estudo 32 indivíduos com idade média de 35 anos, sendo 75% mulheres. Todos receberam o esquema primário da CoronaVac e, oito meses após a segunda dose, foram vacinados com a dose de reforço. A taxa de soroconversão atingiu 100% após 14 dias da terceira dose, assim como ocorreu depois da segunda. No entanto, na terceira dose, as altas taxas de soroconversão foram mantidas por três vezes mais tempo.

Além disso, o nível de anticorpos neutralizantes atingiu 773,60 UI/mL, um número 4,22 vezes maior em comparação ao pico observado 14 dias após a segunda dose (209,70 UI/mL). No caso de anticorpos totais anti-RBD, o aumento foi de 3,71 vezes (de 174,90 para 639,30 UI/mL).

De acordo com os pesquisadores, os níveis de anticorpos neutralizantes são altamente preditivos de proteção imunológica. “Em comparação com a segunda dose, a terceira dose da CoronaVac aumentou significativamente os níveis de anticorpos e prolongou a sua duração. No entanto, o declínio da imunidade ao longo do tempo sugere que futuras doses deverão ser consideradas.”

Vale ressaltar que a queda da imunidade ocorre em todas as vacinas atualmente disponíveis contra a Covid-19, o que pode reduzir a proteção contra as variantes do vírus. Uma possível solução é adaptar as vacinas com as novas cepas. A farmacêutica chinesa Sinovac, por exemplo, está trabalhando em uma versão trivalente da CoronaVac, capaz de combater ômicron, delta e cepa original, e obteve resultados promissores.

 

Reforço da CoronaVac aumenta resposta contra variantes

Recentemente, outro estudo chinês realizado em Jiangsu mostrou que a terceira dose da CoronaVac induz uma potente resposta imune contra as variantes delta e ômicron do vírus SARS-CoV-2, aumentando de 300 a 500 vezes o nível de anticorpos específicos produzidos contra essas cepas. No Chile, uma pesquisa com 11 milhões de pessoas mostrou que o reforço da vacina fornece uma proteção acima de 85% contra casos graves de Covid-19. Veja aqui outras evidências sobre a terceira dose da CoronaVac.

 

 *Este texto é uma colaboração do jornalista científico Peter Moon para o portal do Butantan