Sete estudos que comprovam a eficácia da CoronaVac contra as variantes delta e ômicron

Pesquisadores estudam a efetividade da vacina constantemente, confirmando sua indicação contra todas as variantes


Publicado em: 20/04/2022

A CoronaVac, vacina do Butantan e da farmacêutica chinesa Sinovac, foi avaliada em diversas pesquisas científicas que comprovaram sua efetividade contra todas as variantes do vírus SARS-CoV-2, inclusive a delta e a ômicron. Pelo menos sete artigos sobre estudos realizados em países como Chile, China e Turquia, reafirmam a confiabilidade da tecnologia usada na CoronaVac, de vírus inativado, no combate a todas as cepas da Covid-19. Como o imunizante contém o patógeno inteiro em estado “morto” (inativado por agentes químicos e físicos), ele é mais efetivo no combate a variantes do que vacinas que só utilizam a proteína Spike do SARS-CoV-2. Com mais de 2 bilhões de doses, a CoronaVac é a vacina mais aplicada em todo o mundo contra a Covid-19 e ferramenta imprescindível no combate global à pandemia.

 

CoronaVac eleva imunidade contra variantes de quem já teve Covid-19

Um artigo publicado em março de 2022 na revista Emerging Microbes and Infections demonstrou que, em indivíduos não vacinados e recuperados de Covid-19 há 12 meses, a imunização com a CoronaVac induziu alta atividade neutralizante contra a variante delta do vírus SARS-CoV-2, além de aumentar a quantidade de anticorpos. Com a administração da CoronaVac, houve um aumento de quatro vezes nos anticorpos IgG, atingindo níveis similares aos observados um mês após a infecção. 

Leia o artigo completo: The SARS-CoV-2 inactivated vaccine enhances the broad neutralization against variants in individuals recovered from COVID-19 up to one year

 

CoronaVac é 69% eficaz contra internação por Covid-19 de crianças, diz estudo chileno feito durante surto de ômicron

Uma pesquisa feita com mais de 500 mil crianças no Chile mostrou que a CoronaVac é 69% eficaz contra internação por Covid-19 de crianças de três a cinco anos. O estudo, publicado na plataforma de preprints Research Square, foi feito durante o surto de ômicron no país e demonstrou, também, a efetividade de 64,6% contra hospitalização pela Covid-19 e 38,2% contra infecção. 

Leia o artigo completo: Effectiveness of CoronaVac in children 3 to 5 years during the omicron SARS-CoV-2 outbreak

 

 

Dose de reforço da CoronaVac é eficaz contra a ômicron, diz estudo chileno

Um estudo clínico de fase 3, coordenado pela Pontifícia Universidade Católica do Chile e pelo Instituto Milênio de Imunologia e Imunoterapia e publicado na plataforma MedRxiv, mostrou que a terceira dose da CoronaVac aumenta significativamente a resposta de células T e a quantidade de anticorpos neutralizantes capazes de reconhecer as variantes ômicron e delta do SARS-CoV-2. Em análise de capacidade de neutralização contra a ômicron e a delta em 30 dos voluntários, os cientistas identificaram títulos médios de anticorpos neutralizantes de 50,7 contra a ômicron e de 159,2 contra a delta, e a taxa de soropositividade (produção de anticorpos) foi de 76,7% e 93%, respectivamente.

Leia o artigo completo: A booster dose of an inactivated SARS-CoV-2 vaccine increases neutralizing antibodies and T cells that recognize Delta and Omicron variants of concern

 

CoronaVac é segura para crianças e protege contra as variantes delta e ômicron

Um estudo clínico de fase 3 publicado por pesquisadores chilenos na plataforma MedRxiv demonstrou que a CoronaVac é segura e imunogênica para crianças a partir dos três anos, induzindo produção de anticorpos em 100% dos participantes e resposta imune celular contra as variantes delta e ômicron do SARS-CoV-2. Um mês após a segunda dose, 100% dos indivíduos de três a 17 anos apresentaram altos níveis de anticorpos contra o SARS-CoV-2.

Leia o artigo completo: An inactivated SARS-CoV-2 vaccine is safe and induces humoral and cellular immunity against virus variants in healthy children and adolescents in Chile

 

Estudo chinês mostra efetividade da CoronaVac contra casos graves da variante delta

A revista científica Annals of Internal Medicine publicou um artigo que mostrou que vacinas de vírus inativado como a CoronaVac apresentaram alta efetividade para combater a variante delta do SARS-CoV-2, na cidade de Guangdong. Foram avaliados 10.805 pacientes adultos diagnosticados com Covid-19, divididos em três grupos: não vacinados, vacinados com uma dose e vacinados com duas doses. Em indivíduos com esquema vacinal completo, a efetividade foi de 52% contra infecções, 60% contra casos sintomáticos, 78% contra pneumonia e 100% contra casos severos de Covid-19. 

Leia o artigo completo: Effectiveness of Inactivated COVID-19 Vaccines Against Illness Caused by the B.1.617.2 (Delta) Variant During an Outbreak in Guangdong, China

Estudo com 11 milhões de chilenos mostra eficácia de 85% da dose de reforço da CoronaVac contra variante delta

Um estudo realizado por pesquisadores chilenos, com a participação de 11,2 milhões de pessoas, mostrou a eficácia da dose reforço da CoronaVac acima de 85% para casos graves. Na época do estudo, feito entre fevereiro e novembro de 2021, a variante delta era predominante no Chile. Os resultados mostram, ainda, a eficácia de 78,8% para casos sintomáticos, 86,3% para hospitalizações, 92,2% para internações em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) e 86,7% para evitar mortes relacionadas à Covid-19. O estudo foi publicado na plataforma de preprints SSRN, vinculada à revista científica The Lancet.

Leia o artigo completo: Effectiveness of Homologous and Heterologous Booster Shots for an Inactivated SARS-CoV-2 Vaccine: A Large-Scale Observational Study

 

Estudo mostra que quem tomou CoronaVac e foi infectado pela delta está protegido contra ômicron

Em janeiro, um trabalho feito na China e publicado na plataforma de preprints Research Square mostrou que quem completou o esquema vacinal de duas doses com CoronaVac e depois foi infectado pela variante delta está protegido contra a cepa ômicron. Os cientistas avaliaram a atividade neutralizante de soros coletados de dois grupos de pacientes previamente infectados pela variante delta: o primeiro grupo, de 18 a 77 anos, havia sido vacinado com duas doses da CoronaVac, e o segundo grupo, de nove a 17 anos, não havia sido vacinado. 

Leia o artigo completo: Delta infection following vaccination elicits potent neutralizing immunity against the SARS-CoV-2 Omicron