Projeto S vai entrar na história da saúde pública, diz Dimas Covas


Publicado em: 23/03/2021

“A contribuição do Projeto S vai ficar na História: na história do Butantan, na história do Brasil e na história da ciência mundial.” É com essas palavras que o diretor-presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, define a herança que vai ser deixada pelo estudo clínico que está sendo realizado em Serrana, interior de São Paulo, para avaliar o impacto da vacinação na redução de casos de Covid-19 e na diminuição da transmissibilidade do novo coronavírus.

A pesquisa conduzida pelo Projeto S é a primeira do mundo neste gênero, e está sendo realizada pelo Butantan com o apoio do Hospital Estadual de Serrana, da Faculdade de Medicina da USP em Ribeirão Preto e da Prefeitura Municipal de Serrana, entre outras instituições.

“Com esse estudo, o Butantan inova mais uma vez no curso da pandemia”, explica Dimas. “O Instituto já inovou fazendo outras atividades que são extremamente importantes: testagem, desenvolvimento de novas estratégias de enfrentamento da pandemia, e agora com esse estudo”, completa.

“A contribuição científica é inestimável. Esperamos que, nos próximos anos, esse aprendizado possa ser utilizado pelo Butantan, pelo Brasil e por outros países também”, acrescenta. De acordo com o diretor do Instituto, uma das principais características que distinguem o Projeto S em relação a seu impacto na saúde pública é que é uma pesquisa de epidemiologia sendo realizada durante uma epidemia.

Além do impacto da vacinação na redução de casos (sabe-se que a vacina protege contra a doença, mas não seu efeito sobre o curso da epidemia) e no controle da pandemia (o que indicará se a população terá que conviver com o vírus por muito tempo ou se a vacinação fará com que o vírus desapareça), o Projeto S vai analisar o impacto da imunização na redução da carga de doença (em termos de economia para o sistema de saúde, ocupação de leitos hospitalares, número de consultas médicas, liberação dos hospitais para o tratamento das outras doenças que nesse momento ficaram em segundo plano).

Também serão analisadas questões como a adesão da população à vacinação, a ocorrência de reações adversas e efeitos indiretos na economia e na circulação de pessoas. Além disso, estão sendo testadas ferramentas que podem ser úteis no combate à epidemia: aplicativo de controle da vacinação, aplicativo de acompanhamento de reações adversas, aplicativo de identificação de sintomas compatíveis com a Covid-19, censo geolocalizado em tempo real, entre outras.

A previsão é que as primeiras respostas possam ser obtidas em meados de maio, algumas semanas após o final da aplicação da segunda dose da vacina do Butantan contra a Covid-19 na população de Serrana, que se encerra em 11 de abril.

 

 

Entenda o que é o Projeto S

Acesse o site (projeto-s.butantan.gov.br)

Siga no Instagram (@projetoserrana)

Ouça o podcast no Spotify

Assista ao documentário no Youtube


Saiba mais:

Primeira semana do novo ciclo de vacinação em Serrana tem quase 90% de adesão

Aplicação da segunda dose em Serrana tem alta procura da população e homenagem à equipe do Butantan

Projeto Serrana entra em nova etapa com início da aplicação da segunda dose da vacina

Terceiro episódio do documentário sobre o Projeto Serrana já está no ar

Projeto S: quais são as expectativas dos moradores para o período pós-vacinação?

Ao final do primeiro ciclo de vacinação em Serrana, Projeto S imuniza mais de 97% dos voluntários