Governo da Tailândia confirma que vacina da Sinovac impede a propagação da Covid-19 em 95% dos casos


Publicado em: 06/08/2021

O Instituto Nacional de Vacinação da Tailândia informou, por meio do Departamento de Relações Públicas do governo do país, que 95% dos tailandeses que receberam as duas doses da vacina da Sinovac contra a Covid-19, que no Brasil é produzida em parceria com o Butantan, desenvolveram uma resposta imunológica que impede a propagação da Covid-19. 

Além disso, o Ministério da Saúde Pública da Tailândia (MOPH) publicou, em comunicado nos seus canais oficiais, as conclusões de um estudo feito com grupos expostos a alto risco de infecção durante abril e maio na província de Phuket, região oeste do país, e em Samut Sakhon, a 48 quilômetros da capital Bangkok. De acordo com a pesquisa, foi detectada uma eficácia de 90,7% na prevenção da infecção por Covid-19 - durante a época da pesquisa, a variante predominante no país era a alfa. 

Ainda conforme os estudos do governo tailandês, quem recebeu as duas doses da vacina da Sinovac apresentou uma prevenção de 84,9% contra a possibilidade do agravamento da doença para pneumonia. Em junho, quando a variante delta estava presente em 20% a 40% dos casos, um novo relatório do MOPH mostrou a eficácia de 75% da vacina em quem tomou as duas doses da vacina.

No Brasil, a eficácia da CoronaVac foi comprovada depois do estudo clínico de fase 3, com 13.060 voluntários. Os resultados finais mostraram que a eficácia do imunizante pode chegar a 62,3% quando o intervalo entre a primeira e a segunda dose é de 21 a 28 dias. Todos que participaram da terceira fase eram profissionais da saúde, população altamente exposta à Covid-19. Os dados da pesquisa foram divulgados na plataforma de preprints SSRN e estão em processo de revisão por pares.

 

Errata

Nesta quinta (6), o Butantan publicou uma versão anterior desta matéria, trazendo os mesmos dados e citando como fonte o site do Ministério da Saúde Pública da Tailândia. Os links de referência, porém, não estão mais acessíveis. Fiel a seu compromisso de transparência e seriedade na busca por informações, o Butantan removeu a matéria do ar até poder reescrevê-la com os devidos links de referência.