Equador começa a vacinar crianças de três e quatro anos com a CoronaVac

País já aplicava a vacina do Butantan e da Sinovac em crianças a partir dos cinco anos desde outubro de 2021


Publicado em: 25/02/2022

O Equador iniciou na última segunda (21) a vacinação de crianças de três e quatro anos com a CoronaVac, vacina do Butantan e da Sinovac. Serão administradas duas doses, com intervalo de 28 a 42 dias, de acordo com o Comitê Consultivo em Práticas de Imunização (ACIP). O país andino já vinha vacinando crianças maiores de cinco anos desde outubro.

O plano piloto de imunização da faixa etária de três a quatro anos começou em 15/2 em Quito, capital do país. Até o dia 20/2, foram imunizadas 451 crianças de três anos e 5.481 de quatro anos. Nas províncias de Napo, Orellana e Pichincha, por exemplo, espera-se imunizar mais de 30 mil crianças. 

“O Governo tem centrado os seus esforços em ter a imunização necessária. Hoje estamos vacinando crianças de três e quatro anos. Este é um grande avanço para o país, pois é um grupo populacional vulnerável”, disse Andrea González, coordenadora de saúde da zona 3 do Ministério da Saúde chileno, que compreende as províncias de Chimborazo, Tungurahua, Cotopaxi e Pastaza.

O vice-ministro da Governança e Vigilância Sanitária, José Ruales, disse em coletiva de imprensa que a decisão de imunizar o público infantil foi submetida a um grupo de especialistas em pediatria e infectologia da pasta e foi aprovada "com a vacina Sinovac, que é uma vacina de vírus inativado e possui a mesma tecnologia das demais vacinas do calendário regular para crianças”, afirmou.

 

CoronaVac já é aplicada em crianças em outros países andinos

Na Colômbia, até o início de fevereiro, 4,2 milhões de crianças, ou 59% das crianças colombianas de três a 11 anos, já haviam recebido a primeira dose da CoronaVac, sendo que 2,3 milhões (33%) haviam tomado a segunda dose. O Ministério da Saúde local iniciou em 31/10 de 2021 a campanha de vacinação contra a Covid-19 nessa faixa etária.

"A meta é vacinar aproximadamente 7,1 milhões de crianças com essa idade", disse o ministro da Saúde, Fernando Ruiz, no lançamento da campanha de imunização infantil.

A vacina escolhida para imunizar as crianças foi a CoronaVac, por ter o melhor perfil de segurança para o público pediátrico. A dose aplicada é de 1 miligrama, recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para essa população.

Já no Chile, a vacina do Butantan demonstrou efetividade de mais de 90% em crianças e adolescentes de seis a 16 anos para prevenir hospitalizações e internações relacionadas à Covid-19. Em dezembro, o país ampliou a imunização para a faixa etária de três a cinco anos.

No mundo, já são mais de 70 milhões de crianças vacinadas com a CoronaVac. O Dossiê CoronaVac para Crianças e Adolescentes reúne estudos científicos que atestam a sua eficácia e segurança.