Corrida vira ‘febre’ entre colaboradores do Instituto Butantan

Seja nas ruas, nos parques ou nas montanhas, a corrida tem caído no gosto dos brasileiros. Estima-se que hoje ela já tenha em torno de 8 milhões de adeptos, tornando-se o esporte mais popular do Brasil, ganhando até do futebol. Uma pesquisa feita no ano passado pelo Instituto de Pesquisas Esportivas Sport Track apontou que, dentre as pessoas que praticam esportes em geral, 33% correm. 

No Instituto Butantan não é diferente. O parque com 80 hectares de fragmentos da Mata Atlântica e as amplas e calmas avenidas do vizinho campus da USP (Universidade de São Paulo) são um convite para a prática desta atividade. O Butantan Notícias selecionou três histórias inspiradoras de colaboradores que aderiram à corrida e que hoje somam alguns bons motivos para seguir, com muito fôlego, praticando o esporte. 

 

O emagrecimento com saúde

Thamara Ayala de Barros, 35, trabalha no Laboratório Especial II de Coleções Zoológicas (LECZ) do Instituto Butantan. Bióloga por formação, Thamara levava uma vida totalmente sedentária e sofria com problemas de obesidade em meados de 2015.

Descontente com seu corpo, a bióloga chegou a tomar medicamentos para tentar agilizar o processo de emagrecimento, porém chegou à conclusão de que, na verdade, eles davam sempre uma falsa sensação de perda de gordura. As medicações fizeram com que Thamara perdesse o apetite e desenvolvesse uma forte gastrite. “Estava emagrecendo, mas não da maneira correta. Esses medicamentos me fizeram muito mal. E, para piorar, o consumo acabou se tornando como se fosse um vício para mim. É difícil demais largar”, contou a bióloga.

Procurando uma maneira realmente saudável para emagrecer, Thamara tentou praticar várias modalidades esportivas, como natação, hidroginástica e musculação, mas foi na corrida de rua que descobriu uma grande paixão.  

Ela treinou por conta própria entre 2015 e 2018 e, desde o ano passado, conta com o apoio da equipe do Programa de Qualidade de Vida no Trabalho do Butantan. Além de ganhar em saúde, Thamara conseguiu reduzir o peso de 84,4 para 54,4 quilos. “O Renan e a Eliane, profissionais de educação física do Butantan, me ajudaram bastante. Eles preparam um treino especial para que eu consiga atingir meus objetivos dentro das corridas”, disse.  

 

Uma vida dedicada às corridas

Pesquisador científico do Instituto Butantan há mais de 30 anos, Wilmar Dias da Silva, 88, corre desde a juventude. Na bagagem, diversas corridas famosas, como a São Silvestre, por exemplo. Chamado carinhosamente pelos colegas de professor Wilmar, o pesquisador conta que sempre treinou para as provas com muito empenho. Até dois anos atrás, ele corria, religiosamente, 40 quilômetros por semana nas regiões de Higienópolis e Pacaembu.

A marca só foi interrompida recentemente por causa de uma torção no tornozelo. “No momento em que sofri a lesão doeu demais, além disso, dificulta muito a recuperação a minha idade avançada. Estou fazendo fisioterapia para retornar logo”, contou o profissional.

Para o pesquisador, a corrida é mais do que uma atividade física. É algo muito importante na sua vida, uma verdadeira paixão. E para quem quer chegar a essa idade com tanta disposição, Wilmar dá algumas dicas preciosas, além do empenho nos treinos. “Chegar a esta idade é muito difícil. Há quase 40 anos que sou vegetariano e não ingiro qualquer tipo de açúcar. Além disso, não há nada que me ajude mais neste processo do que a música, de preferência erudita”, relata.

 

 

Uma paixão que escala montanhas

Alina Souza Gandufe é coordenadora de Assuntos Regulatórios e trabalha no Butantan há 14 anos. Ela começou a praticar esportes em 2015, após ter um problema de saúde. Primeiro com a hidroginástica e depois se exercitando na esteira. Foi justamente por causa de um treino que acabou se encantando com a corrida. Hoje ela participa de uma modalidade pouco convencional conhecida como Trail Run (corrida em trilha). Este modelo consiste em correr por trilhas de montanhas ou caminhos secundários, por meio de montes e colinas, cruzando riachos e rios com subidas e descidas íngremes.

A preparação para este modalidade de corrida é um pouco diferente. Os participantes devem fazer treinos específicos para suportar as subidas e descidas, além de aprender a se adaptar à altitude. Todos esses processos são necessários para vencer as adversidades encontradas no caminho.

Segundo Alina, o mais interessante desde que começou a participar das corridas, foi o que a prática esportiva proporcionou a sua vida. “Comecei a correr por um problema de saúde e hoje ela [a corrida] me traz muito mais do que a vida saudável, como as amizades que a gente faz ao longo dos caminhos e a oportunidade de conhecer locais que eu jamais imaginaria, como o interior de Minas Gerais, São Paulo, Santa Catarina, Argentina e Itália”, disse. 

Recentemente, Alina participou de uma corrida de montanha na Itália conhecida como "Cortinha Trail". Esta competição faz parte do circuito "Ultra Trail World Tour" (série que contempla as melhores provas de montanha do circuito mundial) e é disputada na cidade de Cortina D´Ampezzo.

O percurso desafia todos os limites humanos, pois a prova na montanha é feita em terrenos irregulares, com a altitude máxima de 2420 metros. A avaliação possui o tempo de conclusão de 12 horas. Alina concluiu o desafio em 11 horas e 30 minutos.

 

Conheça alguns outros colaboradores do IB que correm

Nome: Elinalda Melo de Arruda

Setor: Copa

Há quanto tempo corre? Corro há quatro meses 

O que é a corrida para você? Correr significa me distrair dos problemas e estar bem comigo mesma

 

Nome: Anita Mitico Tanaka Azevedo

Setor: Laboratório de Herpetologia

Há quanto tempo corre? Corro há 22 anos

O que é a corrida para você? Correr é um dos maiores prazeres da minha vida

 

 

Nome: Tadeu da Cruz Menezes

Setor: Laboratório de Genética

Há quanto tempo corre: Desde 2013

O que é a corrida para você? Eu sempre tive o sonho de ganhar uma medalha e a corrida me proporcionou essa sensação. Ao longo deste período conquistei mais de 60 medalhas e 10 troféus. A corrida para mim é tudo. Significa alegria, amizades e parceria

 

Nome: Marcio Arlindo Pereira

Setor: Laboratório de Influenza

Há quanto tempo corre: Corro há cinco anos

O que é a corrida para você: Encaro a corrida como uma maneira de promoção da minha saúde. É um esporte muito legal. Você necessita ter foco e disciplina para obter excelentes resultados

 

 

Dicas do IB

Quer começar a correr?

O IB tem um Programa de Caminhada e Corrida, com a orientação gratuita e personalizada dos profissionais de educação física do Programa Qualidade de Vida no Trabalho. Os interessados devem procurar Eliane ou Renan no RH. O primeiro passo será passar por uma avaliação médica. 

Já começou a correr? Que tal participar de provas?

Para quem já está treinando e quer começar a participar de corridas, o Butantan possui parceria com uma empresa organizadora de eventos esportivos e todos os colaboradores têm direito a um desconto de até 10% no valor da inscrição. O desconto também pode ser estendido a familiares e amigos dos colaboradores. Para saber quais são as suas corridas de interesse, consulte o site ativo.com e encaminhe um e-mail com o nome da prova, data, local e seus dados pessoais para parcerias.rh@butantan.gov.br

 

(por Elias Antar)