CoronaVac simula a infecção real e é mais eficiente contra reinfecções, aponta virologista da USP

.


Publicado em: 08/12/2021

Para o virologista Edison Durigon, do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP), o fato de a CoronaVac ser uma vacina de vírus inativado, ou seja, que apresenta o vírus inteiro e todas as suas proteínas na composição e não apenas fragmentos, a torna mais eficiente contra as reinfecções pelo SARS-CoV-2.

“É preciso destacar que todas as vacinas funcionam, mas acredito que a vacina de vírus completo inativado é muito melhor considerando a reinfecção”, assinalou o cientista nesta quarta (8), durante sua participação no segundo dia do CoronaVac Symposium

Segundo Durigon, por apresentarem o vírus inteiro, as vacinas de vírus inativado são capazes de simular a infecção real de modo mais efetivo do que as vacinas que contêm fragmentos de uma única proteína.

 

“Na pandemia, nós observamos poucas reinfecções. O mais comum era a infecção de não vacinados ou de vacinados que não tiveram contato anterior com o vírus. Isso acontece porque, quando você tem a doença, você produz mais anticorpos. A CoronaVac deve apresentar o mesmo comportamento”, explica.

O pesquisador ressalta ainda que todas as vacinas atualmente disponíveis são eficazes para combater a Covid-19, especialmente casos graves e hospitalizações. 

A tecnologia de vírus inativado é a técnica vacinal mais consolidada no mundo, usada em imunizantes contra diversas outras doenças, como gripe e poliomielite. 

 

Consulte a programação do segundo dia do CoronaVac Symposium

Inscreva-se e participe

Saiba mais sobre o evento