CoronaVac protege crianças de 3 a 5 anos contra a ômicron, mostra estudo chileno revisado por pares

Efetividade foi de 69% contra internação por Covid-19; CoronaVac aguarda aprovação da Anvisa para essa faixa etária


Publicado em: 24/05/2022

Uma pesquisa conduzida no Chile durante o surto da variante ômicron do SARS-CoV-2, publicada nesta segunda (23) na revista científica Nature Medicine, demonstrou que a CoronaVac em crianças de 3 a 5 anos forneceu proteção de quase 70% contra internação em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) por Covid-19. Os resultados foram divulgados em março no formato preprint e foram aceitos pela revista após revisão de pares. O artigo foi disponibilizado para a comunidade científica enquanto passa pela edição final.

Participaram do estudo 516.250 crianças de 3 a 5 anos filiadas ao Fundo Nacional de Saúde (FONASA), sistema público de saúde do Chile. Destas, 490.694 receberam a CoronaVac com intervalo de 28 dias entre as duas doses, e as demais do grupo controle não foram imunizadas.  A efetividade da vacina foi de 69% contra internação em UTI, 64,6% contra hospitalização e 38,2% contra a infecção por Covid-19.

Vale ressaltar que a pesquisa foi feita durante o surto da ômicron, variante de preocupação que segue responsável por 100% dos casos de Covid-19 no estado de São Paulo, segundo o último boletim da Rede de Alerta das Variantes. Outro estudo recente, conduzido em Xangai, na China, revelou que a CoronaVac reduziu o risco da forma grave da Covid-19 nas crianças a partir de 3 anos, mesmo durante a circulação da ômicron.

 

Aumento de casos de Covid-19 ameaça crianças não vacinadas

Com o recente aumento de casos de Covid-19 no Brasil, algumas cidades voltaram a recomendar o uso de máscaras em ambiente fechados para conter a transmissão do vírus. Nesse cenário, o público ainda não imunizado, que inclui as crianças menores de 5 anos, corre mais risco de ser infectado e desenvolver a doença grave. Um estudo brasileiro publicado em março mostrou que 75% das mortes por Covid-19 registradas nos primeiros 10 meses de 2021 ocorreram em indivíduos não vacinados.

Em março, o Instituto Butantan solicitou à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a ampliação da autorização do uso da CoronaVac para a faixa etária de 3 a 5 anos, e recentemente apresentou dados complementares que reforçam os benefícios da vacina nesse público. Desde o dia 20/1, o imunizante é aplicado dos 6 aos 17 anos.

Só em 2022, o Brasil já registrou quase 300 mortes de menores de 5 anos por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) causada pela Covid-19. As crianças mais novas também são as mais atingidas pela Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P), uma condição grave e letal associada à infecção pelo SARS-CoV-2 que já acometeu mais de 1.700 brasileiros.