CoronaVac protege 80% contra hospitalizações e mortes em pessoas reinfectadas pelo SARS-CoV-2, mostra estudo

Pesquisa com 20 mil indivíduos comparou a proteção de quatro vacinas; CoronaVac evita desfechos graves da Covid-19


Publicado em: 18/04/2022

Um estudo de mundo real realizado no Brasil com cerca de 20 mil pessoas voltou a comprovar a efetividade da CoronaVac contra casos graves e hospitalizações por Covid-19. A análise mostrou que mais de 80% dos indivíduos reinfectados pelo SARS-CoV-2 que haviam tomado a CoronaVac se recuperaram da doença sem necessidade de hospitalização. Publicado na The Lancet Infectious Diseases, o trabalho foi feito por cientistas do Brasil e do exterior, de instituições como Universidade de São Paulo e Instituto Oswaldo Cruz (Fiocruz), além de universidades americanas como Yale e Stanford.

Entre fevereiro de 2020 e novembro de 2021, foram identificados 213 mil brasileiros (vacinados e não vacinados) que tiveram Covid-19 sintomática após o início do programa de vacinação. Para comparar a efetividade dos imunizantes CoronaVac, AstraZeneca, Pfizer e Janssen, os cientistas selecionaram 22,5 mil casos de todo o país que testaram positivo para a reinfecção pelo SARS-CoV-2, sendo que 1.545 acabaram sendo hospitalizados e 290 morreram.

Dos 22,5 mil casos analisados, 8 mil foram imunizados – 42,8% haviam tomado a CoronaVac, 40% receberam a AstraZeneca, 14,9% a Pfizer e 2,2% a Janssen. Entre os vacinados com CoronaVac, a efetividade contra hospitalização e morte foi de 81,3%. O percentual foi similar ao das vacinas AstraZeneca (89,9%) e Pfizer (89,7%), e superior aos resultados da Janssen (57,7%). Vale ressaltar que a imunização com CoronaVac no Brasil começou primeiro, tendo envolvido, em larga maioria, idosos acima de 60 anos, um público mais vulnerável ao agravamento dos casos de Covid-19.

De acordo com os pesquisadores, as análises foram concentradas em indivíduos que foram previamente infectados pelo coronavírus para responder se e até que ponto as vacinas conferem proteção adicional contra infecção sintomática e desfechos graves.

“Preocupações têm sido levantadas sobre respostas de anticorpos neutralizantes menos robustas e duráveis em indivíduos que receberam a CoronaVac em comparação com outras vacinas. Nós mostramos que a CoronaVac fornece altos níveis de proteção contra desfechos graves da doença”, reforçam os cientistas no artigo.

*Este texto é uma colaboração do jornalista científico Peter Moon para o portal do Butantan