ButanVac produz mais anticorpos contra Covid do que vacina da AstraZeneca, indicam estudos do Vietnã

Proporção de indivíduos com anticorpos aumentou cerca de quatro vezes 14 dias após a administração da segunda dose


Publicado em: 01/02/2022

A Covivac, vacina candidata contra a Covid-19, que no Brasil é chamada ButanVac e está sendo desenvolvida pelo Instituto Butantan, produz níveis mais altos de anticorpos do que o imunizante de Oxford/AstraZeneca, e atende aos requisitos de segurança e tolerabilidade. A conclusão do Comitê Nacional de Ética em Pesquisa Biomédica do Ministério da Saúde do Vietnã foi publicada no portal UOL, com base em nota publicada no site do Instituto de Vacinas e Biologia Médica do Vietnã (IVAC), instituição pública que está desenvolvendo a vacina localmente.

O comitê do Ministério da Saúde vietnamita se baseou nos resultados do ensaio clínico de fase 1 e 2 randomizado e duplo-cego que estão sendo realizados no país. A fase 1 foi controlada por placebo e a fase 2 avaliou o desempenho da Covivac na comparação com outra vacina contra a Covid-19 licenciada – neste caso, a de Oxford/Astrazeneca, um dos mais utilizados no país asiático.

Nesta segunda etapa, a vacina foi testada em 374 voluntários com idades entre 18 e 59 anos e 60 anos ou mais do distrito de Vu Thu, província de Thai Binh. Os participantes foram divididos em três grupos: o primeiro, foi imunizado com 0,5 ml de Covivac com dose de 3 µg; o segundo, com 0,5 ml e dose de 6 µg; e o terceiro foi o grupo controle, que recebeu o imunizante da AstraZeneca.

Segundo o comunicado do IVAC, a proporção de indivíduos com anticorpos presentes (a medida usada foi GMC, concentração geométrica médica na sigla em inglês) aumentou cerca de quatro vezes 14 dias após a segunda dose, atingindo mais de 90% dos voluntários do grupo que recebeu a Covivac (o índice foi de 82% no grupo da vacina controle). 

Os grupos que receberam a Covivac tomaram a primeira dose em agosto e a segunda em setembro de 2021, compreendendo um intervalo de 28 dias entre as duas doses. A coleta de amostras de sangue foi realizada antes da primeira dose, 14 dias após a segunda dose e seis meses após a segunda dose. Com base nos resultados preliminares, o ensaio clínico da Covivac foi considerado elegível para prosseguir para a fase 3, com uma amostra maior de voluntários.