Butantan entrega obra civil do Centro de Produção Multipropósito de Vacinas, que vai produzir 100 milhões de doses por ano

Fábrica recebe investimento privado de R$ 189 milhões para produção de vacinas contra Covid-19, zika, raiva e hepatite


Publicado em: 25/03/2022

O presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, e o governador de São Paulo, João Doria, entregaram, nesta sexta-feira (25), a obra civil do Centro de Produção Multipropósito de Vacinas (CPMV), que produzirá até 100 milhões de vacinas contra Covid-19, zika, raiva e hepatite A por ano, ampliando a capacidade de produção de vacinas do Brasil. 

Lideranças de empresas doadoras como Amazon, BRF, Ambev, Grupo Raia Drogasil, IFood, BASF, Comgás, entre outras, visitaram as instalações na nova fábrica na companhia do governador, do vice-governador Rodrigo Garcia, da presidente da Comunitas, Regina Esteves, do secretário de Estado da Saúde, Jean Gorinchteyn, e do presidente e diretores do Butantan.

Saiba mais: Com nova fábrica do Butantan, Brasil estará preparado para combater novas pandemias rapidamente; entenda a construção e as inovações do CPMV

“Não estamos inaugurando apenas uma fábrica de vacinas. Essa é uma fábrica de vidas. É uma fábrica de proteção à vida, de respeito à ciência, à verdade, à justiça e à história de São Paulo”, disse Doria.

O presidente do Butantan lembrou que a rápida construção da fábrica foi possível graças a uma parceria público-privada e informou que o próximo passo até o início da produção dos imunizantes envolve a certificação das instalações e dos produtos que serão produzidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A obra foi iniciada em novembro de 2020. 

“Essa é uma fábrica altamente complexa que foi construída de forma muito mais rápida do que se costuma ver no Brasil, foi um recorde. Essa velocidade foi possível por meio da parceria público-privada que agilizou demais esse processo”, disse Dimas. 

“Temos a necessidade da aprovação da fábrica e dos produtos que serão produzidos nela pela Anvisa. A parte mais rápida é fazer a fábrica operar e inicialmente será em escala piloto para, no final do processo, entrarmos na produção de vacinas de fato”, completou.

O CPMV, localizado no parque fabril do Butantan em área de 11 mil m², se caracteriza por ser totalmente automatizado e vem recebendo equipamentos e maquinário, parte deles importados dos Estados Unidos e da Itália. 

A obra foi realizada por meio de doações de 75 empresas privadas brasileiras, dos mais diversos setores, que totalizaram R$ 189 milhões, captadas pela Comunitas, organização do terceiro setor especializada em implementar parcerias público-privadas. 

 

Fábrica digital e sustentável

O CPMV é um projeto pioneiro no Brasil. A fábrica é 4.0, totalmente automatizada, sustentável (sem uso de papel) e com dados totalmente rastreáveis. Quando estiver em plena operação, a fábrica abrigará de 100 a 150 colaboradores e colaboradoras trabalhando para entregar até 100 milhões de doses de vacina por ano.

Além disso, o CPMV terá um laboratório de biossegurança nível 3, destinado a trabalhar com agentes de alto risco biológico, que exigem boas práticas laboratoriais e de segurança e equipe altamente treinada. Após a instalação de todo o maquinário, as próximas etapas são a certificação e qualificação pelos órgãos competentes e posterior automação. 

O diretor de estratégia institucional, Raul Machado Neto; a diretora de projetos estratégicos, Cintia Lucci; o diretor de estratégias jurídicas, Paulo Luis Capelotto; o superintendente do Butantan, Reinaldo Noboru Sato; a diretora do Centro de Desenvolvimento e Inovação, Ana Marisa Chudzinski-Tavassi; a diretora do Centro de Desenvolvimento Científico, Sandra Coccuzzo Sampaio Vessoni; o diretor de produção, Ricardo Oliveira; o diretor do Centro Administrativo, Jorge Alamini; e o diretor de infraestrutura, Rafael Lubianca prestigiaram a entrega.